sábado, 23 de maio de 2015

SOLENIDADE DE PENTECOSTES





Assim diz o Senhor: “Derramarei o meu Espírito sobre todo ser humano, e vossos filhos e filhas profetizarão, vossos anciãos terão sonhos e vossos jovens terão visões” (Jl 3,1)

A Festa de Pentecostes, no 50º dia do Tempo Pascal, precisa retornar ao clima de profunda alegria e confiança. Com a força do Espírito Santo de Amor a Igreja se aventura pelo mundo, como continuadora das ações libertadoras de Jesus Cristo.

No livro dos Atos dos Apóstolos, Lucas apresenta a comunicação do Espírito Santo com base na tradição judaica dos 50 dias de comemoração da Páscoa.

FESTA JUDAICA-CATÓLICA
Também a festa de Pentecostes judaica é fonte da celebração cristã. Ambas as tradições bebem em festas populares ligadas ao cultivo da terra.  

Era para os judeus uma festa de grande alegria, pois era a festa das colheitas. Ação de graças pela colheita do trigo. Vinha gente de toda a parte: judeus saudosos que voltavam a Jerusalém, trazendo também pagãos amigos e prosélitos. Eram oferecidas as primícias das colheitas no templo. Era também chamada festa das sete semanas por ser celebrada sete semanas depois da festa da Páscoa, no quinquagésimo dia. Daí o nome Pentecostes, que significa "quinquagésimo dia".
O povo judeu celebrava Pentecostes como a festa da colheita dos frutos da terra. Depois que se urbanizou, com o Templo, por exemplo, em Jerusalém, Pentecostes passou a celebrara entrega do Decálogo, por Deus a Moisés. O Decálogo é a lei dos Dez Mandamentos. Deus ofereceu a base para a organização de um povo livre. O quinto mandamento coloca a vida como centro da Lei: defender e promover a vida.

No Cristianismo a Festa do espírito Santo é a entrega da Lei Nova para o Novo Povo de Deus. A Lei do Amor é o estilo de vida do novo povo na nova aliança.
Também no aspecto religioso, temos o processo semeadura e colheita do fruto que é dado. Na Liturgia Católica, Pentecostes encerra o Tempo Pascal.

CINQUENTA DIAS
Pentecostes são cinquenta dias em celebramos a Páscoa da Ressurreição. Pentecostes é palavra grega que significa CINQUENTA. Não significa Espírito Santo. A comunicação do Espírito Santo aconteceu em momento grandioso, quinquagésimo dia da Páscoa.

A Festa Judaica dava ênfase ao encerramento das sete semanas da festa da colheita. Para os cristãos, o fruto que colhemos da Páscoa de Jesus Cristo é o Espírito Santo. È o Amor.
No último dos cinquenta dias da Páscoa, nós fechamos o período de festas, com o fruto exclusivo da Páscoa: o Amor do Pai e do Filho derramado sobre nós. É o Espírito Santo.

LINGUAGEM ÚNICA
O acontecimento do Espírito Santo em Atos dos Apóstolos, não é uma reportagem de um fato. Lucas é o catequista que mostra como o Espírito Santo atua para transformar.
 O Espírito Santo faz questão de que todos se entendam. Os apóstolos falaram aramaico e todos entendem. Hoje, embora falando idiomas diferentes, a diferença não é tanta que não nos possamos nos entender.
A confusão de línguas deu-se em Babel (Gn11, 1-9). A compreensão aconteceu com o Espírito Santo de Amor. Por isso, o Amor é o dom mais alto. É o que dá base e sentido para todos os outros dons. É o carisma que marca o comportamento das pessoas na comunidade. É o carisma que serve de distintivo dos seguidores de Jesus Cristo. O Amor não serve como promoção pessoal, mas para promover a comunhão na comunidade. O Amor basta!  
  
  A IGREJA NASCEU NO ESPÍRITO SANTO
 Ela é movida, sustentada, guiada por Ele. Enfim, sem o Espírito Santo fica difícil pensar em Igreja, assim também nos membros dela. Nós não podemos e não conseguiremos viver sem o sopro do Espírito.
O Espírito Santo é invocado nos sacramentos. Como é maravilhoso perceber que, nas fases da vida cristã, recebemos essa força do Senhor! No batismo, somos batizados em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Quando somos perdoados no sacramento da penitência, somos perdoados pelo Espírito enviado do Pai e do Filho, e assim todos os sacramentos são realizados pela ação do Espírito.
 QUEM É O ESPIRITO SANTO?
O prometido por Jesus: "...ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem a realização da promessa do Pai a qual, disse Ele, ouvistes da minha boca: João batizou com água; vós, porém, sereis batizados com o Espírito Santo dentro de poucos dias" (At 1,4-5).
Espírito que procede do Pai e do Filho: "quando vier o Paráclito, que vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade que vem do Pai, ele dará testemunho de mim e vós também dareis testemunho..." (Jo 15 26-27). O Espírito Santo é Deus com o Pai e com o Filho. Sua presença traz consigo o Filho e o Pai. Por Ele somos filhos no Filho e estamos em comunhão com o Pai.

QUAL A MENSAGEM DE PENTECOSTES?

A mensagem vem , sobretudo das leituras dessa solenidade, que são sempre as mesmas: Atos 2,1-11; 1 Coríntios 12,3b-7.12-13; João 20,19-23. Eis alguns temas que deveriam ser aprofundados. 1. O supremo dom do Pai e de Jesus a humanidade é o Espírito Santo. 2. Soprando sobre os discípulos, Jesus esta recriando a humanidade mediante o sopro do Espírito. 3. Recebendo o Espírito de Jesus, os cristãos recebem igualmente a mesma missão. 4. O Espírito é dado a todos. Ninguém fica sem ele, e ninguém o possui plenamente. 5. O Espírito leva a humanidade a formar uma só família, no amor, diferentemente de Babel-confusão, em que as pessoas não se entendem.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

PORQUE COROAMOS A IMAGEM DE NOSSA SENHORA?



            A devoção que a Igreja tem de coroar a imagem da Virgem Maria em muitas datas em que celebramos uma festa a ela dedicada, em especial no mês de Maio, é muito antiga.
            Este gesto quer externar o carinho que sentimos pela Mãe de Jesus e nossa Mãe. Não se trata de uma devoção vazia de sentido, e nem mesmo a consideramos uma deusa, pois Maria não é um fim em si mesma. Não é meta, mas é sinal. Sua missão é sempre nos apontar Jesus. Ela é aurora que antecede a luz radiante do magnífico Sol que é Cristo.
·         Coroamos a sua Imagem, porque em nosso coração Ela tem um lugar especial, pois pelo seu “fiat” (faça-se) Deus torna-se Homem em seu seio virginal. Ao anúncio do Arcanjo Gabriel, que falou - lhe claramente: “o santo que vai nascer de ti será chamado filho de Deus”. (Lc 1,35), Maria não titubeia e se coloca como serva, não só com palavras, mas logo vai ao encontro de sua prima Isabel, que ao receber sua visita, exclamou: “donde me esta honra de vir a mim a mãe do meu Senhor“. (Lc 1,43)
·          
·         Ela é especial porque nos deu JESUS, LUZ PARA A NOSSA VIDA. No princípio, Deus disse: “faça-se a luz e a luz foi feita” (Gn 1,3). Milhares de anos mais tarde, Deus precisava de uma nova luz no mundo. Escolheu e consultou Maria e ELA respondeu: “FAÇA-SE!” E nasceu JESUS, a Luz do mundo. (Lc 1,38)

·         A primeira luz era a aurora do mundo físico, luz necessária “porque o mundo estava informe e vazio, as trevas cobriam o abismo, e o Espírito de Deus pairava sobre as águas”. (Gn 1). E o Espírito, que desceu sobre a Virgem, ainda hoje faz nascer Jesus, em nossos corações ansiosos, trazendo-nos, assim a resposta para nossas profundas aspirações de felicidade e paz.

·                     Coroamos a sua imagem, porque ELA é modelo para nossa caminhada de fé. Sua prima Isabel lhe disse: ”bem aventurada és tu que creste, pois hão de cumprir as coisas, que da parte do Senhor te foram ditas” (Lc 1,45). Maria viveu de fé, de uma fé semelhante á nossa exposta às contradições e envolta na obscuridade, de uma busca incessante do Deus Vivo, na Pessoa de Seu Filho.

·                     Maria soube crescer na fé. Jesus se apresenta à Maria como o Filho que só pode ser entendido pela Mãe através da fé. Conforme a anunciação do arcanjo Gabriel: “a criança se chamará Jesus, é filho do Altíssimo, filho de Deus” (Lc 1, 35). Porque, pela fé, Maria soube gerar Jesus primeiro no coração antes de gerá-Lo no ventre.    

·         Na vida pobre e silenciosa de Jesus, Maria percebe pela fé, a realidade humilde do Messias. (Lc 1,32; 2,32)

·                     A Virgem Maria sustenta nossa caminhada, pelos caminhos do Senhor:
- aceita Jesus como Filho; (Lc 1,38)
- visita Isabel e a ajuda; (Lc 1, 39-56)
- João Batista é santificado pela Sua presença ainda no ventre da mãe; (Lc 1,44)
- entrega Jesus ao Pai no Templo; (Lc 2, 22-25)
- segue Jesus na vida pública, em silêncio; (Mc 3,31-35)
-está com Ele na caminhada para o Calvário e aos pés da cruz; (Jo 19, 25)
- está com os apóstolos em Pentecostes, no início da Igreja, animando-os e orando com eles. (At 1,14)
       
  • Coroamos a imagem de Maria, porque nos momentos em nos faltar a alegria, a fé, a força, o diálogo, a harmonia, a coragem, o ânimo, Ela, assim como fez na festa de casamento em Caná da Galiléia, nos convida a obedecer: “fazei tudo o Ele (Jesus), vos disser” e temos certeza, que assim como aconteceu com aquelas pessoas, a festa de nossa vida será plena de sentido. (Jo 2, 1-11).    

Maria, aquela que foi toda de Deus, que sempre soube ouvir e meditar a Palavra em seu coração. (Lc 2.19), deve ser descoberta no cotidiano de nossas vidas, para dizermos com simplicidade de filhos e filhas:
            MARIA, QUE A VEJAMOS COMO MÃE, E SIGAMOS O CAMINHO QUE NOS APONTA PARA JESUS! E ASSIM COMO O APÓSTOLO JOÃO, LEVÁ-LA PARA NOSSAS CASAS (Jo 19,26-27), POIS SEU TESTEMUNHO DE DISCÍPULA NOS SUSTENTARÁ EM NOSSOS DESAFIOS DE LEVAR ADIANTE A MENSAGEM DE FRATERNIDADE DEIXADA PELO SEU DIVINO FILHO A ESTE MUNDO TÃO CONTURBADO E SEDENTO DE BOAS NOTÍCIAS: “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”(Jo 15.12).
           
  • Nós coroamos a imagem de Maria, por ser Ela a mãe carinhosa, zelosa, solícita e paciente, que está sempre a nos mostrar o caminho da humildade, do serviço e do sim generoso e desinteressado. Ela não é deusa, não mais que Deus, mas depois de Jesus, o Senhor, neste mundo ninguém foi maior. Nós não adoramos Maria, mas a veneramos por ser Ela a mulher feliz que sempre praticou a Palavra de Deus, sendo assim chamada pelo próprio Jesus. (Lc 11,28)
           
  • Enfim, nós coroamos a imagem de Maria, para cantar com ela as maravilhas de Deus “minha alma glorifica o Senhor, e meu espírito se alegra em Deus meu Salvador, porque Ele olhou para a humildade de sua serva! Todas as gerações, de agora em diante me chamarão feliz, porque o Todo-Poderoso fez para mim coisas grandiosas. O seu nome é Santo”. (Lc 1, 47-49),  e concluímos com a ajuda da Virgem Maria: “Há um só Deus e um só mediador entre  Deus e a humanidade: Cristo Jesus” (I Tm 2,5)mas fica a certeza para todos nós seus filhos e filhas: mãe zelosa e terna, servidora de Deus e dos irmãos e irmãs por excelência, ouvinte e praticante da Palavra, discípula atenta, perseverante e incentivadora nos caminhos de Seu Divino Filho, não houve e nunca haverá outra igual.
                       Por tudo isso, saudamos e coroamos a sua imagem Mãe Maria, para externar que desejamos sempre coroá-la em nossos corações como exemplo de cristã autêntica.              
                             
NO DIA 24 DE MAIO, ÀS 17hOO, TEREMOS A MISSA CAMPAL NA PRAÇA EUGÊNIA BUENO PIOVEZAN
 ( PRAÇA DA IMAGEM) Ipeúna - SP
E LOGO APÓS COROAÇÃO DA IMAGEM NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO, 

VENHA PARTICIPAR CONOSCO!!!

                                         



sábado, 16 de maio de 2015

FESTA DA ASCENSÃO DO SENHOR




A ASCENSÃO DO SENHOR (17/5/20 15)

Cristo Volta ao Pai. E dai?
Dai E that comeca o ritmo da Comunidade, o ritmo da Igreja. AINDA NÃO com o vigor de Pentecostes, mas com uma Esperança do cumprimento da promessa da Comunicação do Espírito Santo de Amor

A Ascensão de Jesus E a festa da coerência O Que fez fiel em TODO Caminho that garantiu a História da Salvação (Lc 24, 44-45). ELR Volta ao Pai Como o fiel! Por ISSO, Lucas atesta Que Jesus E exaltado cabelo Pai (At 5,31)
A Ascensão E consequencia da Ressurreição. Sem a Ressurreição o Projeto do Pai eA Missão de Jesus NÃO teriam Realizado. Nem o Espírito Santo poderia sor comunicado. A Ascensão E, pois, Uma Festa Pascal.
Jesus insistia: Primeiro He DEVE voltar ao Pai; segundo, parágrafo Ambos enviarem o Espírito Santo (Jo 14, 15-29; 16,7)
Na Ascensão Jesus Cristo Volta ao Céu diferente de when He desceu à terra. When He Nasceu, um Ser divino se fez humano; na volta hum Ser Humano se fez divino. Quem se fez carne e gente, Retorna comom carne e gente. E algo novo Muito nenhuma Céu!

O TEMPO DA IGREJA
TAMBEM É de se Notar that como comunidades dos Discípulos iniciam o andamento da Igreja (Comunidade) na Ascensão. O PROPRIO Confiança manifes Jesus na fidelidade DELES entregando-lhes um Continuação do Projeto do Pai Para a Humanidade. ASSIM, a Ascensão E o momento do Compromisso dos Discípulos com o Testemunho Com que Irão apresentar-se ao Mundo. A prova de that São continuadores de Cristo E o Testemunho, Como o proprio Jesus lhes falou: " Voces Serao levados Diante de governadores e reis, Por minha causa, um Fim de Serem Testemunhas parágrafo enguias e Pará como Nações "(Mc 10, 18 ) . O Testemunho de e essencial parágrafo dar Conta da Missão. " E VOCÊS São Testemunhas Disso "(Lc 24,45-48) . E ELES se apresentavam Como such: " Nós Somos Testemunhas de Tudo O Que He fez na Judéia um e em Jerusalém "(At 10, 39)     
A Ascensão E UMA grande festa Pascal!

Recordação DA CATEQUESE DE LUCAS
Ascensão - a Missão de Jesus de Jesus Cristo ESTÁ Quase completa. A Missão de Jesus NÃO Terminais com o retorno Ao Pai. A Missão eStara completa com uma Comunicação do Espírito Santo.

Estamos na catequese de Lucas, em Atos dos Apóstolos (2,1-13). Lucas E o catequista inteligente, religioso e criativo. He Procura uma Maneira Mais didática de como tornar Coisas de Deus compreensíveis Ao povo. O Modo Que escolheu foi um Maneira de OS PROPRIOS Judeus celebrarem a festa de Pentecostes. Lucas aproveitou OS costumes judaicos parágrafo apresentar o ensinamento Cristão.
Recordamos, ENTÃO, OS that Judeus celebravam uma festa da Plantação (semeadura) na Páscoa. Era festa agrícola. Mais tarde juntaram o aspect religioso. Junto com a Plantação, colocaram uma festa de Comemoração da Libertação da Escravidão do povo do Egito.
Com a Libertação da Escravidão, Deus comeca a plantar hum novo povo that He Proprio escolheu, parágrafo Iniciar a História da Salvação.

A semente era um Liberdade. Sobre a Liberdade o povo iriai se desenvolver Até Chegar a Colheita. A festa judaica da Colheita celebrava uma terra fecunda that produziu alimento para o povo. Tambem Uma festa agrícola that OS Judeus tornaram religiosa. Como?
FESTA DAS SEMANAS
Depois da festa da Páscoa, Durante sete Semanas (49 dias) o povo celebrava o ritmo that a terra precisava parágrafo dar Seu fruto. O numero 7 siginifca um Perfeição, não Caso, ritmo necessary Até um Época da Colheita. Estamos no estilo simbólico. DEPOIS de Sete Semanas UO 49 dias, nenhum dia 50º, começava a Colheita. O Aspecto religioso acrescentado celebrava uma Lei (Mandamentos) Que o povo recebeu no Monte Sinai. Essa Lei Iria Orientar O Povo Livre para se organizar com Igualdade de Direitos e Deveres de Para Todos, povo Solidário. Era uma festa de Pentecostes, 50 dias Depois da Páscoa (Ex 34,22; Nm 28,26)

O ACRÉSCIMO Cristão
Lucas aproveita-se do simbolismo bonito e Cheio de significado parágrafo acrescentar uma catequese Cristã. O ano litúrgico SEGUE ESTA catequese de Lucas.
A Páscoa Judaica, nenhum Cristianismo, Passa a Libertação sor do povo da Escravidão do Pecado. O povo ESTÁ Livre do pecado parágrafo Iniciar o seguimento do novo Povo de Deus. Em vez da Escravidão do Pecado, ágora, um Liberdade da Graça.

Sem Cristão ano litúrgico, celebramos o Tempo Pascal, nos ste Domingos (Semanas) da Páscoa da Ressurreição.
O Pentecostes Cristão Acontece no dia Seguinte AOS 49 dias da Páscoa. No 50º (quinquagésimo) dia, o novo Povo de Deus recebe uma nova Lei do Amor. This Lei do Amor é uma Característica do povo Cristão: todos se comunicam, no Amor, com um MESMA Igualdade, Solidariedade e Responsabilidade. E o novo Relacionamento ENTRE COMO PESSOAS.

No ano litúrgico Cristão, o Domingo de Pentecostes encerra o Tempo Pascal. Faz parte do Tempo Pascal. Completa o Tempo Pascal. A Missão de Jesus, de Certa forma, Chega Ao final, glorioso Pela Comunicação do Espírito de Amor. Jesus EO Pai comunicam o proprio Amor com that they se AmAm na Trindade. O Amor é a Lei that Mostra Quem se IDENTIFICA com o Projeto da Nova Criação e da nova Humanidade.

LUCAS E JOÃO
O Evangelho de João TEM catequese diferente da de Lucas. João apresenta Jesus Comunicando o Espírito Santo na Própria Noite da Ressurreição (Jo 20, 19-22). Lucas aproveita o simbolismo das festas judaicas Que o povo conhecia e celebrava: coloca uma Comunicação do Espírito 50 dias Depois da Páscoa.

O essencial E that uma catequese dos Dois apresenta uma Comunicação do Espírito Santo Como coroa da Missão de Jesus Cristo. Cada qua TEM Maneira diferente de Revelar O Mistério de Deus não Espírito Santo, Amor Entre o Pai EO Filho. O Dom that nºs E dado!

MARCO E MATEUS
Os Dois silenciam Sobre a Comunicação do Espírito Santo Como No aparato de Lucas.
 O momento forte do Espírito Santo e Com Relação a Jesus Cristo, He Proprio o "recebe" por Ocasião do Batismo no Rio Jordão: DEPOIS de Ser batizado, Jesus logotipo Saiu da Água. Entao O Céu se abriu, e Jesus Viu o Espírito Santo, Descendo Como Uma pomba e pousando Sobre Ele (cf. Mc 1,10; Mt 3,16)
Marcos e Mateus salientam a promessa de Jesus Que o Espírito Santo eStara sempre Presente nsa Conflitos that OS seguidores Dele Terao that enfrentar POR causa da Missão. O Espírito Santo Dira O Que EO Que Fazer FALAR parágrafo testemunhar com Coragem, Convicção, coerência e fidelidade. (Mc 13,11; Mt 10,19-20 Cf.)

O ANO Litúrgico
O Ano Litúrgico Segue uma catequese de Lucas Como Maneira pedagógica para Educar uma vivência religiosa do Povo de Deus.
Na catequese de Lucas, a Ascensão de Jesus e A Volta ao Pai. Para quê? Para Cumprir O Que He proprio havia prometido: ele EO Pai se comprometeram de COMUNICAR o Espírito Santo. Para quê? Pará como comunidades NÃO ficarem com receio da Enorme Responsabilidade de Construir o novo Reino, sozinhas. O Espírito de Amor permanecerá parágrafo semper, um Fim de that como comunidades possam discernir no Amor O Que Convém EO Que NÃO Convém Ao Projeto de Deus.

A importancia DA Galiléia     
Ha muitos significados em Tantos Textos dos Evangelhos Ao indicarem um Galiléia Como inicio do Ministério e, also Encerramento das Atividades de Jesus Cristo.
A Galiléia era uma Região Mais pobre do Território da Palestina Antigo Testamento fazer. A Evidência de Jesus Que Faz Questão de Começar Pelos Pobres o Seu Ministério E total. Se o Reino era de para servir Pobres AOS, nada Mais Significativo Que Fazer o anuncio da Boa notícia, la na terra dos Pobres.
Tambem na Galiléia terminou o Ministério e, de la, Jesus Retorna Ao Pai. São Indicações Claras da Preferência de Cristo.
Por FIM, se dali Jesus começou o Ministério de Serviço dos Pobres, E that also naturais Seu Discípulos iniciassem uma Missão a Partir da Galiléia.
O proprio Jesus Nunca se sentiu ofendido POR Ser Chamado Galileu. Até uma placa that Pilatos Mandou Colocar no alto da cruz se referia a Jesus Nazareno (Nazaré na Galiléia FICA). Tal era uma Identidade de Jesus Cristo com OS pobresos prediletos do Reino!

A Galiléia, Começo E Recomeço
Na Atividade evangelizadora de Jesus Cristo e de dos Discípulos, a Galiléia Aparece com significado Muito Especial e profundo.
Jesus Inicia Seu Ministério na Galiléia: Mt 4,12-16; Mc 1,14-15; Lc 4,14-16; Jo 1, 43 e 2,1. Jesus encerra Seu Ministério na Galiléia: Mt 28, 7 e 16-20; Mc 16,6-7 e 16-20.
A Missão dos Discípulos comeca exatamente na Galiléia. E uma Missão de Continuar a Ação Libertadora de Jesus em vista da vida Para Todos. Jesus Continuarà Presente no Mundo Pela Prática da Comunidade dos Discípulos.
Continuar a Ação Libertadora Não É O Que repetir Jesus fez. E libertar de opressões com Novas Ações adequadas, mas inspiradas não Agir de Jesus Cristo.
A Campanha da Fraternidade E UMA dessas Ações libertadoras da Comunidade (Igreja), em Cada ano vendo O Que Mais oprime o povo.

JERUSALÉM
Lucas optou POR Valorizar o simbolismo de Jerusalém Porque Ela É centro e Referência de todo o judaísmo.
 Jesus encerra o Período de Atividades na Galiléia (Lc 4,14-9,50) e dali Inicia uma longa Viagem a Caminho de Jerusalém (Lc 9,51-19,27).
Jesus reserva parágrafo Jerusalém OS momentos fortes de SUA Pregação. E ali also that enfrenta uma Reação dos poderosos com a morte de cruz. Igualmente E ali that acontecem OS Fatos da Ressurreição, Ascensão e Pentecostes. Em Jerusalém - centro e Símbolo da Antiga Aliança, da Lei e fazer Templo- surgir uma Nova Aliança, o Novo Templo, a Nova Lei, o Novo Povo de Deus.
Em Jerusalém comeca o novo estilo de Relacionamento fraterno NAS Primeiras comunidades Cristas. De Jerusalém partem OS Discípulos de Jesus Cristo em Direção AOS confins do Mundo.

DIA DAS COMUNICAÇÕES MUNDIALA
Na festa da Ascensão do Senhor, comemoramos O Dia Mundial das Comunicações: JESUS ​​RECOMEDOU A BOA NOTICIA DO EVANGELHO A TODAS AS Criaturas.
Com Os Meios de Comunicação, Televisão, em especial, frequentemente surtos polêmica POR causa da Abordagem dos temas Religiosos. Qual SERA O Critério? Creio that,
·          Primeiro, a Emissora trate com Respeito a RELIGIÃO,
·          segundo, NÃO agridam, NEM permitam agressões between como Religiões
·          e Terceiro, destaque Profissionais habilitados para à cobertura de Assuntos Religiosos.
E, à nos cabe fornecer Assessoria de Imprensa com gabarito.
Da parte dos telespectadores, o uso qua each o senso critico de a Acordo com SUA Crença religiosa. A servir parágrafo Oportunidade poderá Até hum Balanço de firmeza de convicções SUAS.
O Dia Mundial das Comunicações E um Única Celebração sugerida cabelo Concílio Vaticano II não decreto " Inter Mirifica "

E ... A Nossa Comunicação?
Nossa Especialidade Não São APENAS OS Meios de Comunicação, mas a Própria Comunicação. O Nós entendemos Comunicação Como o Processo de Relações fraternas between como PESSOAS parágrafo Construir uma Comunicação. O Nosso Deus-Trindade, Que É Relação Entre como Três PESSOAS divinas, Não poderia ter CRIADO uma pessoa humana um parágrafo solidão. Mas um parágrafo CRIOU uma Comunhão. O Relacionamento Entre como PESSOAS NÃO SE Humanas Faz com hum instrumento, mas com Outra pessoa. Dai also Estar atentos Para Que a Relação Entre como PESSOAS da Comunidade esteja em franco Processo de Comunhão Fraterna.

Ecumenismo
A chama da Oração sacerdotal de Jesus (Jo 17) Revela um Intimidade de Jesus Cristo com o Pai, donde ressalta a absoluta Unidade com Ele. Dessa íntima com o Pai União decorre uma União de Todas quanto PESSOAS Entre si, Porque o Espírito de Amor é o MESMO. E Um Apelo forte Ao ecumenismo.
Com a intenção de reforçar o ecumenismo, da Ascensão Até Pentecostes, a Realiza-se uma Semana de Oração péla Unidade dos Cristãos. Cada ano Esta Semana propõe Uma Passagem Bíblica Como fonte de Reflexão.
Que todos Sejam hum  E o mandato de Jesus Cristo. O modelo E a União Dele com o Pai: Como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti . Essa Unidade E Possível na Força do Amor. QUANDO se fala em Amor, fala- se em Espírito Santo. O Espírito Santo E a Força da União de Todos os that aceitam Cristo em SUA vida.Não se discrimina uma pessoa Pela Confissão religiosa: é Cristão (ã) E Chamado (a) à Unidade. Logo, Resistir Ao Apelo do Amor E Resistir Ao Espírito Santo.  
Rejeitar uma pessoa POR causa de Outra RELIGIÃO E rejeitar a União não Espírito Santo de Amor. A Semana de Oração Pela Unidade dos Cristãos Procura desfazer OS receios, como inimizades, como incompreensões. Para Que, em Tudo É semper, reine o Amor.
          



sábado, 9 de maio de 2015

DIA DAS MÃES



MENSAGEM DIAS DAS MÃES (10/5/2015)

VI MINHA MÃE REZANDO!

Ó Deus, Vós me destes o dom da maternidade. Dai-me um coração

suave e terno, um coração materno, que tenha sempre amor e

compaixão. Eu quero cumprir minha missão, pois Vós repartis em

minha maternidade Vosso dom de vida. Ajudai-me, Senhor, a tornar

cada dia mais fecundo meu amor por Vós e pelos filhos que me

destes a graça de gerar. Que eu seja serena e sempre cheia de

ternura, pois assim tenho certeza de superar qualquer dor ou

tristeza. Quero, Senhor, o amor que contagia, que transforma,

que une e edifica a vida. Afasta para longe de mim atitudes

egoístas que ferem a vida. Obrigado, Senhor, Vos digo cheia de

gratidão, por me fazerdes participar da Vossa criação. Amém!


Que o coração de Maria Santíssima seja escola para você, mãe,

para que seu coração seja escola para seus filhos!

FELIZ E ABENÇOADO DIA DAS MÃES!

Com minha benção,

Diác. Flori

sexta-feira, 8 de maio de 2015

REAVIVAR A ESPERANÇA


A NECESSIDADE DE REAVIVAR A ESPERANÇA

Estamos ainda vivendo o Tempo Pascal. Este tempo é mais longo, pois a ressurreição de Cristo é sempre a festa da esperança para que o ser humano se lembre que a Ressurreição é a intervenção da força de Deus quando toda esperança parece perdida e não o final feliz de uma linda fábula.

Olhando Jesus na sua paixão, nós vemos como num espelho os sofrimentos da humanidade e encontramos a resposta divina ao mistério do mal, da dor e da morte.

Muitas vezes, sentimos horror pelo mal e pela dor que nos circunda e nos perguntamos como Deus permite o sofrimento e a morte, principalmente dos inocentes. Quando vemos as crianças sofrerem, é uma ferida no coração. E Jesus toma todo este mal, este sofrimento sobre si.

Nós esperamos que Ele, na sua onipotência, derrote a injustiça, o mal, o pecado e o sofrimento com uma vitória divina triunfante. Ao contrário, Deus nos mostra uma vitória humilde, que humanamente parece uma falência. Mas, Jesus, vence na falência. Trata-se de um mistério desconcertante Se, depois de todo o bem que realizara, não tivesse existido esta morte tão humilhante, Jesus não teria mostrado a medida total do seu amor. A falência histórica de Jesus e as frustrações de muitas esperanças humanas são a estrada mestra, por onde Deus realiza a nossa salvação. É uma estrada que não coincide com os critérios humanos; pelo contrário, inverte-os: pelas suas chagas fomos curados.

Quando tudo parece perdido, é então que Deus intervém com a força da ressurreição. Por isso, a ressurreição de Jesus não é o final feliz de uma linda fábula, mas a intervenção de Deus Pai, quando toda a esperança humana já tinha desmoronado. E também nós somos chamados a seguir Jesus por este caminho de humilhação.

A esperança é fundamental para nossa vida. É ela que move a vida, que nos anima a viver. Sem esperança é difícil viver. Ela é determinante para a vida.
    
Embora a esperança, hoje, esteja bastante enfraquecida, pois ela deu lugar ao pessimismo, ao descrédito, à frustração, depressão, e isto causa desespero, falta de confiança, de que seja possível conseguir o que se almeja. Sempre é tempo de renová-la. E a verdadeira fé se expressa na esperança.

A esperança é a estrada pela qual caminha nossa fé. A fé remove montanhas, a esperança aguarda o dia da remoção. A fé é a certeza em forma de projeto, a esperança é a execução deste projeto. A fé nos impulsiona a pedir, a esperança nos ajuda sobre como e quando receber. A fé avista o horizonte, a esperança nos move até lá
         
 Quando temos esperança, conseguimos superar circunstâncias, o tempo e a razão. Ela não se condiciona e não se firma no que vê e acontece à nossa volta. Ela vê além. Ela busca a superação dos obstáculos. A esperança é sempre mais forte e sempre maior que os desafios. Ë maior do que os problemas e sofrimentos que nos afligem e angustiam. Quem tem esperança não se intimida ou recua, mesmo que as adversidades sejam grandes.
    
A verdadeira esperança confia e sabe esperar. É firme, paciente, perseverante e não desiste facilmente. A verdadeira esperança acredita e espera pelo impossível, pelo que muitas vezes não tem lógica, pelo que escapa e desafia a própria razão.
   
   Para ilustrar este texto uma história, com sugestão de encenação:
        
A ESTRELINHA VERDE (com as luzes apagadas) Dar velas para outras pessoas
           Há muito tempo, as estrelinhas do jardim de Deus estavam animadas querendo novas aventuras. Havia centenas de estrelinhas coloridas, lindas: vermelhas, amarelas, azuis, lilases, enfim de todas as cores. (neste momento acendem-se as velas – no palco).
      
       Neste dia, as estrelinhas pediram para Deus que lhes desse permissão para sair do céu. Queriam visitar um pequeno planeta azul, chamado Terra.  Insistiram Fizeram tamanha confusão que Deus não teve outra escolha e deixou-as partir... (as “estrelinhas” se espalham).        Umas estrelinhas foram logo visitar a neve branquinha, outras foram ver o alaranjado dos vulcões, o verde das florestas, algumas se encantaram em mergulhar no mar. Umas foram ver as cachoeiras, outras se deliciavam nos lagos; umas subiam nas montanhas, apaixonavam-se pela variedade de pássaros e flores.
       Várias ficavam paradinhas ao entardecer, observando o espetáculo de cores do sol poente. A negritude da lua a iluminar a noite. Estavam nas torres das Igrejas, nos telhados das casas... E, assim, espalharam-se absolutamente encantadas com a beleza da Terra.
         
       Prestando atenção, em pouco tempo as estrelinhas começaram a entender a linguagem das coisas e dos homens. Começaram a ver que no meio de tanta beleza, havia também o sofrimento. Espantaram-se ao ver rios poluídos sem tratamento, observaram o ar pesado com gases envenenados, testemunharam árvores sendo abatidas, viram crianças mendigando, e sendo espancadas. Viram desemprego, fome... Ficaram tão tristes que começaram a perder a sua cor. Logo se reuniram e decidiram voltar para o jardim de Deus (todas as “estrelinhas” se reúnem, menos a verde), e lá disseram que aqui na Terra era tudo muito triste, e Deus lhes diz, que na verdade somente junto Dele é que se encontra a felicidade, por isso já eram esperadas.
        
       Deus deu uma rápida olhada em suas estrelinhas, e perguntou por uma estrela que faltava. Era a única daquela cor. A cor verde, a cor da esperança. E as estrelinhas disseram que ela quis ficar na Terra. E ao olharem, viram que ela já não estava mais só. Havia uma estrela brilhando no coração de muitos homens (acender as outras “estrelinhas”- um acende do outro).
      
       Então Deus lhe pergunta por que ela não quis voltar junto para Dele.
       A estrelinha verde responde:
      
       OUTRA PESSOA: “O SENHOR QUE JÁ CONHECE A ETERNIDADE E O QUE EXISTE POR DETRÁS DE TODAS AS COISAS, NÃO PRECISA DA ESPERANÇA. QUEM PRECISA DE ESPERANÇA SÃO AS PESSOAS QUE NO SEU DIA A DIA ENFRENTAM MUITAS DIFICULDADES: FOME DESEMPREGO, DOENÇAS, CORRUPÇÃO, PARA QUE NÃO DESANIMEM E TENHAM FORÇAS DE LUTAR POR UM MUNDO MELHOR, MAIS JUSTO E MAIS FRATERNO. POR ISSO, EU, A ESTRELA DA ESPERANÇA JAMAIS OS ABANDONAREI, POIS, TENHO CERTEZA, QUE ATRAVÉS DA ESPERAÑÇA PLANTADA E CULTIVADA EM CADA CORAÇÃO LEVAREI MUITOS A ESPALHAREM AMOR E PAZ POR ONDE PASSAREM,  DURANTE TODO O TEMPO.”

     (apagam-se as “estrelinhas” e acendem-se as luzes)