terça-feira, 10 de março de 2015

VISÃO SACRAMENTAL



Ainda uma visão sacramental...

Vocês me perdoem, mas, eu ainda me assusto com a visão "sacramental" que muitos catequistas ainda têm da catequese da nossa Igreja. Isso porque, por mais que a gente leia, discuta, divulgue e promova a visão que a Igreja pós-concílio prega, ainda tem gente achando que se faz catequese para receber sacramento!

Numa recente discussão em nosso grupo, estávamos debatendo a validade de se ter crianças na catequese, cujos pais são evangélicos.

Não dá, simplesmente não dá, para pensar que em nossa catequese tenha CRIANÇAS SENDO CATEQUIZADAS a despeito da religião de seus pais. Que eles não sigam religião nenhuma, e a criança procure uma crença que seja dela, até vai. É um direito da criança. Assim como é dever dos pais orientá-la nisso. Mas, quando os pais seguem uma religião protestante ou evangélica e o filho, criança ainda, quer ser católico, é de doer. Essa desculpa de que a criança "quer", me lembra do mesmo querer que uma criança tem de um brinquedo que o amigo da escola possui e ele não.

Que eu saiba, uma pessoa só atinge a maioridade aos 18 anos e pode, assim, fazer o que quiser e escolher a vida que quer seguir. Nossos filhos menores não fazem o que querem nem vão aonde querem sem permissão. Eles não têm maturidade suficiente para decidir, sozinhos, nada na vida, nem sequer o que vão comer. É nosso dever de pais proporcionar uma alimentação saudável para eles e, por “incrível” que pareça, dizer a eles a hora de dormir. Eles também não decidem se querem ou não ir para a escola, ou ao dentista ou visitar a Vovó.  E assim é com muita coisa. Inclusive com a fé. Um pai e uma mãe, responsáveis, jamais deixariam seus filhos na porta de uma Igreja: que não frequentam, de uma religião que eu não seguem; seja para frequentar culto, pregação, catequese ou o que quer que seja.

Onde então, nós catequistas, estamos com a cabeça ao aceitar semelhante coisa? Por que tem criança na catequese católica com pais de outra religião?Por que não vamos evangelizar e converter estes pais? Que "merreca" de discípulos missionários nós somos?

Um trecho do DNC só pra esclarecer umas coisas (Itens 33 e 34):

CATEQUESE E EVANGELIZAÇÃO

A evangelização é uma realidade rica, complexa e dinâmica, que compreende momentos essenciais, e diferentes entre si (cf. CT 18 e 20; DGC 63): o primeiro momento é o anúncio de Jesus Cristo (querigma); a catequese, um desses “momentos essenciais”, é o segundo, dando-lhe continuidade. Sua finalidade (da catequese) éaprofundar e amadurecer a fé, educando o convertido para que se incorpore à comunidade cristã. A catequese sempre supõe a primeira evangelização. Por sua vez, à catequese segue-se o terceiro momento: a ação pastoral para os fiéis já iniciados na fé, no seio da comunidade cristã (cf. DGC 49), através da formação continuada.

(Em resumo: Evangelização= Anúncio, depois catequese, depois ação pastoral).

Catequese e ação pastoral se impregnam do ardor missionário, visando à adesão mais plena a Jesus Cristo. A atividade da Igreja, de modo especial a catequese, traduz sempre a mística missionária que animava os primeiros cristãos. A catequese exige conversão interior e contínuo retorno ao núcleo do Evangelho (querigma), ou seja, ao mistério de Jesus Cristo em sua Páscoa libertadora, vivida e celebrada continuamente na liturgia. Sem isso, ela deixa de produzir os frutos desejados. Toda ação da Igreja leva ao seguimento mais intenso de Jesus (cf. CR 64) e ao compromisso com seu projeto missionário.

CONVERSÃO, SEGUIMENTO, DISCIPULADO, COMUNIDADE

O fruto da evangelização e catequese é o fazer discípulos: acolher a Palavra, aceitar Deus na própria vida, como dom da fé. Há certas condições da nossa parte, que se resumem em duas palavras evangélicas: conversão e seguimento. A fé é como uma caminhada, conduzida pelo Espírito Santo, a partir de uma opção de vida e uma adesão pessoal a Deus, através de Jesus Cristo, e ao seu projeto para o mundo. Isso supõe também a aceitação intelectual, o conhecimento da mensagem de Jesus. O seguimento de Jesus Cristo realiza-se, porém, na comunidade fraterna. O discipulado, que é o aprofundamento do seguimento, implica renúncia a tudo o que se opõe ao projeto de Deus e que diminui a pessoa. Leva à proximidade e intimidade com Jesus Cristo e ao compromisso com a comunidade e com a missão (cf. CR 64- 65; AS127c).

Para maior esclarecimento e aprofundamento dos conceitos de evangelização, catequese, ação pastoral, iniciação cristã, formação continuada, catecumenato etc., pode-se consultar o documento da CNBB: Com adultos catequese adulta, Estudos da CNBB 80, 2001, cap. IV, nn. 86-124. Sobre a “originalidade da pedagogia da fé”.

Agora, pergunto eu: Uma criança de 11, 12 anos ou um adolescente de 13, 14 anos, recém-crismado, tem maturidade para entender tudo isso sem a mediação dos adultos? Neste caso, a família, que é a base de sua formação? Porque, sem entender isso, receber a Eucaristia e a Crisma é mera formalidade sacramental. Não é a isso que a IVC tanto fala? Mais que uma catequese com adultos, uma catequese adulta, se faz urgente! A começar por muitos de nossos catequistas...


Angela Rocha



quinta-feira, 5 de março de 2015

CATEQUESE COM O PAPA

Catequese papa: "Não privemos as nossas famílias da beleza da experiência fraterna de filhos"

E-mailImprimirPDF
papa-familias"A quebra do vínculo entre irmãos é uma coisa bruta e má para a humanidade. Também em família, quantos irmãos brigam por coisas pequenas, ou por uma herança e depois não se falam mais, não se saúdam mais. Isto é ruim!", disse o papa Francisco, em catequese, na Quarta-feira de Cinzas, 18. O pontífice falou da vocação do irmão e da irmã na família. Dando continuidade às catequeses sobre a família, ele apresentou reflexão sobre a passagem bíblica de Caim e Abel e chamou atenção para as relações dolorosas de conflito, de traição, de ódio entre irmãos.
Ao final da catequese, o papa sugeriu para que todos rezem por seus irmãos. "Em silêncio cada um de nós, pensemos nos nossos irmãos, nas nossas irmãs e em silêncio do coração rezemos por eles", disse.
Confira a íntegra da mensagem:
Queridos irmãos e irmãs, bom dia.
No nosso caminho de catequeses sobre família, depois de ter considerado o papel da mãe, do pai, dos filhos, hoje é a vez dos irmãos. "Irmão" e "irmã" são palavras que o cristianismo ama muito. E, graças à experiência familiar, são palavras que todas as culturas e todas as épocas compreendem.
A ligação fraterna tem um lugar especial na história do povo de Deus, que recebe a sua revelação no vivo da experiência humana. O salmista canta a beleza da ligação fraterna: "Eis como é belo e como é doce que os irmãos vivam juntos!" (Sal 132, 1). E isto é verdade, a fraternidade é bonita! Jesus Cristo levou à sua plenitude também esta experiência humana de ser irmãos e irmãs, assumindo-a no amor trinitário e potencializando-a de forma que vá bem além das ligações de parentesco e possa superar todo muro de estranheza.
Sabemos que quando a relação fraterna se arruína, quando se arruína as relações entre irmãos, se abre o caminho a experiências dolorosas de conflito, de traição, de ódio. A passagem bíblica de Caim e Abel constitui o exemplo deste êxito negativo. Depois do assassinato de Abel, Deus pergunta a Caim: "Onde está Abel, o teu irmão?"(Gen 4,9a). É uma pergunta que o Senhor continua a repetir a cada geração. E, infelizmente, não cessa de se repetir também a dramática resposta de Caim: "Não sei. Sou talvez eu o protetor do meu irmão?" (Gen 4,9b). A quebra do vínculo entre irmãos é uma coisa bruta e má para a humanidade. Também em família, quantos irmãos brigam por coisas pequenas, ou por uma herança e depois não se falam mais, não se saúdam mais. Isto é ruim! A fraternidade é uma coisa grande, quando se pensa que todos os irmãos habitaram o ventre da mesma mãe durante nove meses, vêm da mesma carne da mãe! E não se pode romper a fraternidade. Pensemos um pouco: todos conhecemos famílias que têm irmãos divididos, que brigaram; peçamos ao Senhor por estas famílias – talvez na nossa família há alguns casos – que os ajude a reunir os irmãos, a reconstituir a família. A fraternidade não deve ser rompida e quando se rompe acontece o que aconteceu com Caim e Abel. Quando o Senhor pergunta a Caim onde está o seu irmão, ele responde: "Mas, eu não sei, a mim não importa o meu irmão". Isto é bruto, é uma coisa muito dolorosa de ouvir. Nas nossas orações sempre rezemos pelos irmãos que se dividiram.
A ligação de fraternidade que se forma em família entre os filhos, se acontece em um clima de educação à abertura aos outros, é a grande escola de liberdade e de paz. Na família, entre irmãos, se aprende a convivência humana, como se deve conviver em sociedade. Talvez nem sempre somos conscientes disso, mas é justamente a família que introduz a fraternidade no mundo! A partir dessa primeira experiência de fraternidade, alimentada pelos afetos e pela educação familiar, o estilo de fraternidade se irradia como uma promessa sobre toda a sociedade e sobre relações entre os povos.
A benção que Deus, em Jesus Cristo, derrama sobre este vínculo de fraternidade o dilata de um modo inimaginável, tornando-o capaz de ultrapassar toda diferença de nação, de língua, de cultura e até mesmo de religião.
Pensem o que se torna a ligação entre os homens, mesmo muito diferentes entre eles, quando podem dizer do outro: "Este é como um irmão, esta é como uma irmã para mim!". Isso é belo! A história mostrou o suficiente que, mesmo a liberdade e a igualdade, sem fraternidade, podem se encher de individualismo e de conformismo, também de interesse pessoal.
A fraternidade em família resplandece de modo especial quando vemos a preocupação, a paciência, o afeto de que são circundados o irmãozinho ou a irmãzinha mais frágil, doente ou portador de necessidades especiais. Os irmãos e irmãs que fazem isso são muitos, em todo o mundo, e talvez não apreciamos o suficiente sua generosidade. E quando ou irmãos são tantos na família – hoje, cumprimentei uma família que tem nove filhos – o maior ou a maior ajuda o pai, a mãe a cuidar do menor. E é bonito este trabalho de ajuda entre os irmãos.
Ter um irmão, uma irmã que te quer bem é uma experiência forte, impagável, insubstituível. Do mesmo modo acontece para a fraternidade cristã. Os menores, os mais frágeis, os mais pobres devem nos sensibilizar: têm "direito" de nos tomar a alma e o coração. Sim, esses são nossos irmãos e como tais devemos amá-los e cuidar deles. Quando isso acontece, quando os pobres são como de casa, a nossa própria fraternidade cristã retoma a vida. Os cristãos, de fato, vão ao encontro dos pobres e frágeis não para obedecer a um programa ideológico, mas porque a palavra e o exemplo do Senhor nos dizem que todos somos irmãos. Este é o princípio do amor de Deus e de toda justiça entre os homens. Sugiro a vocês uma coisa: antes de terminar, faltam poucas linhas, em silêncio cada um de nós, pensemos nos nossos irmãos, nas nossas irmãs e em silêncio do coração rezemos por eles. Um instante de silêncio.
Bem, com essa oração levamos todos, irmãos e irmãs, com o pensamento, com o coração, aqui na praça para receber a benção.
Hoje, mais do que nunca, é necessário levar de volta a fraternidade ao centro da nossa sociedade tecnocrática e burocrática: então também a liberdade e a igualdade tomarão suas corretas entonações. Por isso, não privemos as nossas famílias da beleza de uma ampla experiência fraterna de filhos e filhas. E não percamos a nossa confiança na amplitude de horizonte que a fé é capaz de trazer desta experiência, iluminada pela benção de Deus.
CNPF/CNBB com News.va.

domingo, 1 de março de 2015

NOSSA HOMENAGEM AO DIÁCONO ÂNGELO FRESCHI (IN MEMORIAN)

                DIÁCONO ÂNGELO FRESCHI VOLTOU PARA A CASA DO PAI.


1º DIÁCONO DA DIOCESE DE PIRACICABA - DATA DA ORDENAÇÃO - 12/10/1987 


“O diaconado é um ministério que já esteve presente nos primórdios da Igreja. Os documentos do Magistério situam a sua origem na escolha dos sete homens "de boa reputação, repletos do Espírito e de sabedoria" (At 6,1-6), embora o texto não fale explicitamente de diáconos, ao menos no sentido atual do termo, mas sim de ministros. Referências explícitas a eles encontram-se nas cartas de Paulo (Fl 1,1 e 1Tm 3,8-13).” (CNBB – Doc. 96 nº 1).      
“O Concílio Vaticano II (LG 29) restaurou o diaconado como grau próprio e permanente da hierarquia e estabeleceu condições teológico-pastorais favoráveis para que esse ministério pudesse desenvolver-se plenamente, entre as quais ressaltam-se: a eclesiologia de comunhão e participação; a teologia da diversidade dos carismas e ministérios; o poder como serviço; além da própria necessidade pastoral.” (CNBB – Doc. 96 nº 4)
“Desde as origens, o ministério ordenado foi conferido e exercido em três graus: o dos Bispos, o dos presbíteros e o dos diáconos. Os ministérios conferidos pela ordenação são insubstituíveis na estrutura orgânica da Igreja. Sem o Bispo, os presbíteros e os diáconos, não se pode falar de Igreja.” (CIC nº 1593, citando Santo Inácio de Antioquia))
Em 12/10/1987, dia de Nossa Senhora Aparecida, a comunidade da Paróquia São João Batista de Rio Claro e a diocese de Piracicaba foram agraciadas com a ordenação diaconal do Sr. Ângelo Freschi, pela imposição das mãos de D. Eduardo Koaik, então Bispo diocesano. Seguindo orientação do Concílio Vaticano II, implantava-se, assim, o diaconado permanente em nossa diocese.
Depois de prestar inestimáveis serviços àquela paróquia e à diocese, sendo exemplo de fidelidade ao Reino de Deus, o diácono Freschi, com 97 anos, no domingo, dia 22/02/15, voltou para a casa  do Pai. “Combateu o bom combate, terminou sua corrida, guardou a fé.”
Seu corpo foi velado no Santuário Nossa Senhora da Boa Morte e Assunção de Rio Claro. Dom Fernando Mason presidiu a Missa de corpo presente, concelebrada pelo Delegado Episcopal de Diáconos, Pe. William Martins e padres da diocese. Também participaram Diáconos Permanentes, religiosas, familiares do Diácono Freschi e paroquianos de São João Batista
Quando cheguei à Paróquia de São João Batista, em 2010, o Diácono Freschi já contava com 92 anos e exercia plenamente o ministério diaconal. Destacavam-se nele, entre outras virtudes, o amor pelos irmãos e irmãs e a dedicação à Igreja, no autêntico seguimento do Mestre: “Eu vim para servir” (Mc 10, 45). Com o passar do tempo e com as limitações físicas, em decorrência da idade avançada, ele foi deixando o serviço ministerial, mas não deixava de participar da Santa Missa.
Quando no último ano, raramente podia ir à Missa, passei a conviver mais proximamente dele visitando-o com frequência e levando a ele a Comunhão Eucarística. Para mim foram ocasiões de grande crescimento espiritual ao ouvir as suas confidências e aprender com o seu exemplo, com a sua experiência e com a sua sabedoria, que não era somente da vida. Como seminarista que foi, o Diácono Ângelo conhecia bem filosofia e teologia.
Que o nosso querido irmão Diácono Ângelo Freschi descanse em paz. Amém.

Fontes: Diretrizes para o Diaconado Permanente da Igreja no Brasil – Documentos da CNBB nº 96
CIC – Catecismo da Igreja Católica.

Diácono Edgard Oliveira Batista