quarta-feira, 23 de abril de 2014

OITAVA DA PÁSCOA

DIA 21/04/14 - SEGUNDA - Evangelho - Mt 28,8-15

Daí-nos, Senhor, coragem para acreditar!
Estamos vivendo a Oitava da Páscoa, e isso significa que nós celebramos durante oito dias a maior festa e o maior motivo de alegria de nossa Igreja: a Ressurreição de Jesus. A Páscoa nos é tão importante que desejamos alongar esse dia tão especial por oito dias, como se fossem um só!
O Evangelho de hoje nos deixa estremecidos. Isso porque são as mulheres que primeiro avistam o Ressuscitado. Para os dias de hoje, essa afirmação pode não nos dizer absolutamente nada, – um tempo em que as mulheres e os homens são vistos como seres humanos de igual dignidade. Mas numa sociedade patriarcal como a do Antigo Israel, dizer que as mulheres viram Jesus Ressuscitado era zombar do mestre que havia morrido há pouco.
Para que se tivesse uma prova concreta de que um fato realmente se realizou, naquela época, eram necessárias duas testemunhas, masculinas – é claro! Várias mulheres poderiam fazer uma acusação, mas mesmo assim não seriam ouvidas, pois não eram dignas de confiança, – vê-se, por exemplo, a estória de Susana, no livro de Daniel! (Dn 13). Entretanto, Jesus vem para confundir os fortes e os ricos, os poderosos e os dominadores. A sua ressurreição é testificada por mulheres, aquelas que o seguiam quando ele vivia o seu ministério público.
O cristianismo exige de nós muita coragem e muita fé para que possamos assumir a ressurreição de Jesus como uma verdade inegável. Esse momento magnífico em que um homem vence a morte que atormentava os seres humanos é presenciado por um bando de galileus ignorantes, que não possuíam grande conhecimento das letras e das escrituras, e por muitas mulheres, as quais não deviam ser levadas em conta! É exatamente por isso que as autoridades religiosas da época achavam que os discípulos daquele que morreu na cruz haviam roubado o seu corpo e espalhado a notícia de que ele estava vivo.
Os saduceus, grandes sacerdotes da época, não permitiriam que um bando de pobretões ignorantes, é assim que eram vistos os seguidores de Jesus, convencessem os judeus de que o crucificado estava vivo, e no meio deles. Por isso mesmo é que se pagou uma alta soma de dinheiro aos soldados para que dissessem realmente que o corpo havia sido roubado, ainda que isso denunciasse a falta de competência dos próprios soldados em vigiar o túmulo de um “malfeitor”.
Jesus realmente era visto como um malfeitor, um agitador das multidões, um causador de tumultos e de revoltas contra a religião oficial de Israel, o Povo Eleito. Esse era o motivo pelo qual os chefes religiosos queriam apagar da mente da população a memória daquele que passou fazendo arruaças na ordem estabelecida.
Mas, para os discípulos, Jesus estava vivo. Jesus deixa ser tocado, abraçado e come com os discípulos. Ele está realmente vivo e animando a comunidade de discípulos e apóstolos desorientados. Uma pergunta deve ser feita àqueles que não creem na ressurreição de Jesus: o que aconteceu para que aqueles discípulos medrosos, que haviam abandonado Jesus na hora da morte, começassem a pregar as palavras do mestre sem medo de perderem a própria vida? Pela lógica humana, eles deviam ter se escondido e enterrado a memória daquele que pensavam ser o Messias; mas não, eles começaram a gritar e a falar publicamente que aquele crucificado estava vivo!
Mulheres e homens deram a vida para que nós crêssemos que Jesus está vivo. Eles não inventaram a ressurreição, nem roubaram o corpo do mestre, que seria um grande desrespeito, na visão deles. Jesus Ressuscitado muda completamente as nossas vidas. Faz com que nós, medrosos e indiferentes, sejamos anunciadores do seu projeto de amor, dando-nos coragem suficiente para doar até mesmo as nossas vidas, de diversas maneiras.
Que essas mulheres destemidas e audaciosas sejam a inspiração para a nossa vivência cristã: enfrentando todos os percalços que nós encontrarmos pelo nosso caminho de fé em Jesus Ressuscitado!

Fr. José Luís Queimado, CSsR

22/04/14 - TERÇA - Evangelho - Jo 20,11-18

Os Evangelhos, além da Mãe de Jesus, falam explicitamente de três mulheres de nome Maria: Maria, mãe de Tiago e José (Mc 15,40); Maria, irmã de Marta e Lázaro (Jo 11,1-2) e Maria Madalena da qual foram expulsos sete demônios (Lc 10,38) e finalmente se fala de mais uma mulher pecadora que ungiu os pés de Jesus (Lc 7,44). Tudo quanto se saiba a partir do Evangelho. Ela é Maria, proveniente de Mágdala, uma cidade muito próspera no tempo de Cristo.Maria Madalena foi das poucas pessoas que estavam presentes ao pé da Cruz, ao lado da Virgem Maria. Duas mulheres, dois extremos: a Imaculada e uma pecadora pública! Ambas receberam a redenção de Cristo, mas em forma diversa: Maria por antecipação, por força da qual foi concebida imaculada; Madalena, representando a humanidade pecadora, precisou ser lavada pelo sangue do Redentor!
Maria Madalena foi a feliz mulher que, por primeiro, viu o Cristo ressuscitado. Era a manhã de Páscoa. Maria tinha ido ao sepulcro vazio. Andava quase desesperada, achando que alguém tivesse roubado o corpo do Mestre. Vê a certo momento um jardineiro e, angustiada, lhe pergunta: “Se foste tu que o levaste, dize-me onde o puseste”. Jesus a chama pelo nome: “Maria…” A este nome abrem-se-lhe os olhos e exclama: “Rabboni”, isto é, Mestre! Foi então levar a Boa-Nova da Ressurreição aos apóstolos.
A cena comovente do encontro de Maria de Mágdala com Jesus evidencia a mudança de relacionamento entre o discípulo e o Mestre, operada a partir da ressurreição. A nova condição de Jesus exigia um novo tipo de relacionamento.
Maria expressou o carinho que nutria por Jesus nos vários detalhes de seu comportamento. A notícia do desaparecimento do corpo do Senhor deixou-a perplexa. Com isso, perdia um sinal seguro da presença do amigo querido, mesmo reduzido a um cadáver. Sem ele, não teria um lugar preciso ao qual se dirigir quando quisesse prantear a perda irreparável do amigo. Por isso, mesmo que todos tivessem se afastado, ela permaneceu sozinha, à entrada do túmulo, chorando.
Seu diálogo com os anjos ocorreu de maneira espontânea, sem ela se dar conta de estar falando com seres celestes. Só lhe importava saber onde puseram “o meu Senhor”. Da mesma forma aconteceu o diálogo com o Ressuscitado. Num primeiro momento, Maria pensou tratar-se de um jardineiro. Demonstrando uma admirável fortaleza de ânimo mostrou-se disposta a ir, sozinha, buscar o cadáver do Mestre para recolocá-lo no sepulcro. Tão logo reconheceu a voz do Mestre, tentou agarrar-se a ele. Ele, porém, exortou-a a mudar de comportamento. Doravante, o sinal de amizade que o Senhor queria dela era que se tornasse missionária da ressurreição. Já se fora o tempo em que podia tocá-lo fisicamente.
Maria buscava a Jesus morto e queria tocar o Seu corpo inanimado. Desejou permanecer na dor e não percebeu que o túmulo estava vazio porque Jesus estava vivo. Muitas vezes nós também procuramos a Jesus nos lugares errados ou então O imaginamos como um Deus morto, sem vida, ausente da nossa história. Por isso Jesus também nos faz essas duas perguntas básicas: porque choras e a quem procuras! Choramos a nossa falta de fé e de confiança na Sua Palavra e nas Suas promessas. Procuramos Alguém que está muito perto de nós e não O percebemos. Jesus quer ser encontrado vivo e ressuscitado, atuando na nossa vida. Às vezes não entendemos as Suas manifestações para nós e por isso, choramos. Sofremos pela nossa incapacidade de “enxergar” as coisas de Deus. O mundo espiritual está tão perto de nós, e nós somos incapazes de percebê-lo, absortos que estamos em prestar atenção às coisas e as pessoas que nos rodeiam. Confundimos a presença de Jesus com a de outras pessoas. O Senhor está perto, precisamos ter consciência disso. Quando descobrimos esta verdade nós não ficamos parados. Jesus disse a Madalena: “Não me retenhas”! Se percebêssemos a Sua presença viva e ressuscitada e ouvíssemos realmente a sua voz que fala no nosso coração, sairíamos em disparada como fez Maria Madalena a anunciar a todos: “Eu vi o Senhor!” E  você: Já viu o Senhor? – Já teve a experiência do Jesus Ressuscitado? E se já, correu para contá-la a alguém?  Você tem encontrado no caminho, mais mortos ou vivos? Tem percebido a quem o seu coração procura? Abra os teus olhos da fé para que possas enxergá-lo. Pois Ele como à Maria constantemente te dirige à palavra. Porque choras, a quem procuras?

Pai ensina-me a ter um relacionamento conveniente com o Ressuscitado, reconhecendo que ele quer fazer de mim uma testemunha da ressurreição.
Canção Nova

DIA  23/04/14 - QUARTA - Evangelho - Lc 24,13-35

Reconheceram Jesus ao partir o pão.
Este Evangelho, da quarta-feira da oitava da Páscoa, narra a cena do encontro de Jesus ressuscitado com os discípulos de Emaús. Após a morte de Jesus, a tristeza tomou conta dos discípulos. E junto com ela veio o desânimo. Estes dois discípulos estavam desistindo da vida em Comunidade e voltando para as suas casas. Jesus, apesar de não ser mais a sua vez de se manifestar na terra desta forma, resolveu dar um apoio à Igreja nascente, aparecendo fisicamente. Ele chega e entra no meio da conversa dos dois, mostrando a forma correta de encarar os fatos, que é à luz das Sagradas Escrituras. Os discípulos estavam tão abatidos que nem perceberam que era o próprio Jesus. O acolhimento ao desconhecido foi bonito: “Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chagando!” E a recompensa ao gesto de caridade foi generosa: “Reconheceram Jesus ao partir o pão”.
Recuperam a alegria, e junto com ela o ânimo, voltando imediatamente para a Igreja, a Comunidade cristã.
O que Jesus quis dizer é que ele não desapareceu, mas continua presente no meio dos seus discípulos, agora na Eucaristia, que no começo da Igreja era chama de “O partir do pão”.
Os discípulos estavam desanimados e até desistindo da Comunidade cristã. O motivo eles mesmos falaram: “Nós pensávamos que ele fosse libertar Israel...” Jesus veio realmente libertar, não só Israel mas toda a humanidade. Entretanto, não é assim, de mão beijada; Deus quer fazer as coisas junto conosco e através de nós.
“Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” A Bíblia é a nossa força, a nossa luz na caminhada. Ela nos ajuda a entender os fatos e nos mostra a resposta certa a cada situação. Se aqueles discípulos lessem a Bíblia, talvez não tivessem desanimado.
Mas é na Eucaristia que os nossos olhos se abrem e encontramos forças para continuar a caminhada. A Missa realimenta a nossa fé, e nos dá o dom do discernimento, mesmo no meio das maiores provações.
Logo que os olhos dos discípulos se abriram, Jesus desapareceu da frente deles. Com isso ele quis dizer: eu já estou com vocês na Eucaristia. Por que caminhar tristes, referindo-se a mim como alguém do passado, se estou no meio de vocês na Eucaristia?
Imediatamente eles “se levantaram e voltaram para Jerusalém onde encontraram os Onze reunidos com os outros”. A Eucaristia nos integra ou reintegra na Comunidade cristã. Nenhum motivo justifica o afastamento da Comunidade. Temos um compromisso com ela, feito no batismo, mais forte que o compromisso matrimonial. É um compromisso na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, até o fim da nossa vida.
Ao longo das nossas viagens, cercadas às vezes de inquietações, o divino viajante continua a fazer-se nosso companheiro, a fim de nos instruir. Depois que Jesus subiu para o céu, não age mais dessa forma, manifestando-se fisicamente. Entretanto, em seu poder divino, Jesus usa de mil outras maneiras. Geralmente socorre os cristãos através dos próprios cristãos. O que ele não quer é ver ninguém desanimado, e muito menos se afastando da Comunidade.
E quando e encontro se torna pleno, à luz da Palavra de Deus, segue-se a luz que brota do próprio Jesus, presente no pão da vida.
“A Comunidade é força de Deus. Lugar abençoado onde moram os filhos seus.”
Certa vez, um pai de família fez o Cursilho de Cristandade e chegou entusiasmado em casa. Na hora da refeição, ele disse: “De hoje em diante, nós vamos rezar todos os dias antes da refeição. Sou eu que vou puxar a oração”.
Assim fizeram durante vários dias. Num domingo, veio um amigo dele visitá-lo, o qual não era muito de Igreja. Quando chegou a hora do almoço, o pai ficou com vergonha de rezar na frente do amigo, e simplesmente convidou o amigo para se sentar e começar a comer.
O seu filhinho de cinco anos disse: “Paiê, o senhor não disse que ia rezar todos os dias antes da refeição?” O pai deu um sorrisinho amarelo e acabou rezando, na frente do amigo.
Bem feito! Quem manda ter respeito humano e desobedescer a Deus por causa da presença de um amigo! Sinal que a sua fé, apesar de renovada no Cursilho, ainda precisava alguns retoques. E o alerta veio através da inocência de uma criança. “Quem não receber o Reino de Deus como uma criança não entrará nele!”
“A família que reza unida permanece unida.” Isso vale também para a Família de Deus. Se perseverarmos na oração, nunca nos afastaremos da Comunidade.
Maria Santíssimo nunca se afastou da Comunidade. Pelo contrário, lá estava ela apoiando a Igreja nascente. Mãe da Igreja, rogai por nós! Que tenhamos a graça de perseverar na vida em Comunidade, e nunca desistir, como queriam fazer aqueles dois discípulos de Emaús.

Pe. Antônio Queiroz CSsR


DIA 24/04/14 - QUINTA - Evangelho - Lc 24,35-48

Assim está escrito: O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia.
Este Evangelho narra a aparição de Jesus aos onze Apóstolos, após a ressurreição. Jesus procura fortalecer a fé deles, mostrando-lhes suas mãos e pés com as chagas, e comendo com eles.
Apesar das evidências, os discípulos ainda relutavam em acreditar, devido ao forte impacto que lhes causou a morte e o sepultamente de Jesus. Só pode ser um fantasma, isto é, um tipo de alucinação coletiva, pensaram.
“Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras, e lhes disse: Assim está escrito: O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia.” Esta prova das Escrituras está ao alcance de todos nós, pois quando lemos corretamente a Bíblia, o Espírito Santo abre a nossa inteligência para a entendermos corretamente.
E Jesus pede que “no seu nome serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações... Vós sereis testemunhas de tudo isso”. Os discípulos atenderam bem a esse pedido, como vemos, na primeira Leitura da Missa, Pedro falando em nome de todos os discípulos: “Vós matastes o autor da vida, mas Deus o ressuscitou dos mortos, e disso nós somos testemunhas” (At 3,15). Na segunda Leitura (1Jo 2,1-5a), S. João nos convida a renunciar ao pecado.
A recomendação de Jesus, de anunciar o seu nome a todas as nações, vale também para nós que “cremos sem ter visto”. Pela fé, somos testemunhas de que Jesus está vivo, e levamos essa verdade a todas as pessoas. A Comunidade cristã, através da sua alegria, união e vitalidade, é a principal testemunha de que Cristo está vivo e presente nela. É um testemunho que ela dá pela sua própria vida.
Recebemos essa fé dos nossos pais e da nossa Comunidade; e nós a levamos para frente, através da nossa dedicação à Comunidade e do nosso testemunho no meio em que vivemos. “Vós sereis testemunhas de tudo isso”.
E se estivermos fraquejando na fé, Jesus terá outros meios de aparecer no nosso meio e nos encorajar novamente. Ele costuma usar para isso os seus próprios discípulos que, capacitados pelo Espírito Santo, têm o dom de fortalecer a fé dos irmãos.
Jesus aproveitou ao máximo os seus dias na terra. Ele não ficava esperando as pessoas, mas ia atrás delas. Anunciava a Boa Nova nas praças, nas sinagogas, na beira dos rios, nas estradas... em qualquer lugar.
Houve, certa vez, um incêndio numa floresta. Um beija-flor ia até o córrego, enchia o biquinho de água, vinha voando bem alto e jogava em cima do fogo para apagá-lo. Um elefante viu a e zombou do beija-flor: “Você acha que, com esse pouquinho de água, vai apagar este incêndio?” “Eu estou fazendo a minha parte” – respondeu o beija-flor – “Se cada um aqui fizer também a sua parte, tenho certeza que apagaremos este incêndio”.
Diante dos grandes problemas do mundo, as pessoas costumam ter três atitudes: 1ª) A acomodação: eu não dou conta mesmo, por isso não faço nada. Esta foi a atitude do elefante que, com a sua enorme tromba, poderia jogar muita água no incêndio. 2ª) A revolta: a pessoa fica triste e desiludida diante dos problemas que são maiores do que a sua capacidade de resolvê-los. 3ª) Dar o primeiro passo, por pequeno que seja, na esperança de que Deus entrará no meio, abençoará e maravilhas acontecerão. Esta foi a atitude do beija-flor. Não nos esqueçamos dos cinco pãezinhos que o Apóstolo apresentou a Jesus, para alimentar cinco mil pessoas.
Que Maria Santíssima nos ajude a ser “discípulos e missionários do seu Filho, para que nossos povos tenham mais vida nele”.
Assim está escrito: O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia.

Pe. Antônio Queiroz CSsR


DIA 25/04/14 - SEXTA - Evangelho - Jo 21,1-14

Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe.
Este Evangelho narra a primeira parte da aparição de Jesus ressuscitado à beira do mar de Tiberíades.
“Pedro disse: Eu vou pescar. Os outros disseram: Também vamos contigo.” Na verdade, eles estavam desistindo da missão recebida de Jesus, e estavam voltando à antiga profissão de pescadores. Os discípulos estavam tão desanimados que nem reconheceram Jesus, que estava em pé na margem, apenas a cem metros deles. Se Jesus não tivesse aparecido, talvez acontecesse ali o primeiro passo do fim de todo o seu projeto!
“Mas não pescaram nada naquela noite.” A pesca não estava dando certo, porque eles estavam fora do seu lugar no plano de Deus. Agora são pescadores de pessoas para Deus! Se abandonamos a nossa vocação, ficamos deslocados no mundo e começamos a andar torto como cachorro, ou como carro sem alinhamento.
Tanto a barca como a pesca e a rede têm um simbolismo missionário. São detalhes que apontam para uma missão continuada, de Cristo para os discípulos e deles para nós. Obedecendo a Cristo, a nossa pesca será abundante.
As aparições de Jesus ressuscitado foram suportes para a Igreja nascente. Por si, não era mais a vez de Jesus em seu corpo físico. Agora é a vez do seu Corpo Místico, a Igreja. Mas ele teve de intervir algumas vezes, para apoiar os discípulos e recolocar as coisas no seu lugar.
“Lançai a rede à direita da barca, e achareis.” Quando obedecemos à Palavra de Deus, a pesca da vida se torna abundante, quer dizer, a nossa vida fica frutuosa. Quando fazemos a vontade de Deus, até a natureza colabora.
Agora, é importante obedecer à voz de Deus, como fizeram os Apóstolos, que obedeceram apesar de ter se esforçado a noite inteira sem nada pescar.
“É o Senhor!” Todos amavam a Jesus; mas João o amava mais, por isso o reconheceu antes dos outros. O reconhecimento de Jesus é fruto do nosso amor a ele. Se tivermos a humildade de o termos como “o nosso Senhor”, com certeza ele se manifestará a nós.
Apesar de tão grande número de peixes e de a rede ser arrastada na areia, ela não se rompeu. Obedecendo a Cristo, não só a pesca é abundante, mas a rede não se rompe, isto é, a Comunidade permanece unida, dentro de sua pluralidade.
Outro gesto que admiramos é o de Pedro ao pular na água para aproximar-se mais depressa de Jesus. A sua pressa era tanta que não suportou esperar a lentidão do barco.
“Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe”. A redação repete o ritual da multiplicação dos pães, e também o da Última Ceia. O peixe é símbolo de Cristo. A mensagem é clara. Com o gesto, Jesus está dizendo: eu continuo no meio de vocês, na Eucaristia, com a mesma força e com as mesmas graças que eu tinha antes!
Certa vez, uma garotinha entrou numa loja de jóias. Olhou as vitrines e, quando viu um colar de turquesa azul, seus olhinhos brilharam. O dono da loja estava observando do balcão.
Ela chegou para ele e disse: “O senhor podia embrulhar aquele colar ali? É para minha irmã mais velha. Desde que minha mãe morreu, ela cuida de nós, e hoje é aniversário dela”.
O dono da loja olhou desconfiado para a menina, e perguntou: “Quanto de dinheiro você tem?” Ela, sem hesitar, tirou do bolso da saia um lenço todo amarradinho e foi desfazendo os nós. Colocou-o sobre o balcão, feliz, e perguntou: “Isso dá?” Eram apenas algumas moedas!
O homem foi para o interior da loja, colocou o colar em um estojo, embrulhou com um vistoso papel vermelho e fez um laço caprichado com uma fita verde. “Tome” – disse para a garota. – Leve com cuidado!” Ela saiu feliz, saltitando pela rua abaixo.
Ainda não acabara o dia, quando uma linda jovem apareceu na loja. Colocou sobre o balcão o já conhecido embrulho e perguntou: “Este colar foi comprado aqui?” “Sim”, respondeu o dono. “E quanto custou?” “Ah!” – falou o senhor – “o preço de qualquer produto da minha loja é sempre um assunto confidencial entre o vendedor e o cliente”. A moça continuou: “Mas minha irmã tinha somente algumas moedas!”
O dono pegou o estojo, refez o embrulho com carinho, devolveu-o à jovem e disse: “Parabéns a você! Não só pelo aniversário, mas pela dedicação aos seus irmãozinhos! Este presente de sua irmã é também meu”.
O silêncio encheu a pequena loja, e duas lágrimas rolaram pela face da emocionada jovem, enquanto suas mãos tomavam o pequeno embrulho.
O nosso amor de Cristo se manifesta de muitas e diversas formas: reconhecendo-o de longe, pulando na água para encontrá-lo mais depressa, cuidando dos irmãos na falta da mãe, comprando um presente valioso com apenas algumas moedas, compreendendo e participando do sentimento de gratidão de uma criança...
Que Maria Santíssima, a Mãe da Igreja, nos anime a lançar as redes, agora no terceiro milênio, na certeza de que, obedecendo ao seu Filho, a pesca será abundante. Que tenhamos a coragem da fé, a alegria da esperança e a força do amor.
Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe

Pe. Antônio Queiroz CSsR



DIA 26/04/14 - SÁBADO - Evangelho - Mc 16, 9-15

Claro que a propaganda é a alma do negócio, o pessoal da área de marketing defende essa idéia de com unhas e dentes e não estão errados. Mas há também uma propaganda eficiente e que dizem ser tiro e queda, é aquela passada de boca em boca "Não comprei tal produto porque vi na TV mas porque meu vizinho comprou e disse que é bom"Jesus poderia fazer um grande estardalhaço em sua volta, aparecer no Palácio dos poderosos, aparecer no meio do Conselho do Sinédrio, para desafiá-los e convocar uma mega concentração em Jerusalém pára comunicar oficialmente que ele estava Vivo e que agora iria dar as cartas, humilhando os que conspiraram contra ele e tramaram sua morte. Os marqueteiros de plantão até lamentam "Ah se eu estivesse lá para preparar a volta de Jesus em grande estilo!"
Não que Jesus e seu evangelho não precisem de divulgação, precisa sim, mas o cristianismo não pode ser feito de "oba-oba". Por isso Jesus descarta sua volta em uma Glória Messiânica, como os Judeus esperavam, e prefere a comunicação boca a boca, apareceu primeiro a Maria Madalena, diz o evangelho, que já tinha experimentado á sua Força Libertadora, esta mulher vai correndo anunciar aos irmãos da comunidade, que ainda estavam guardando o luto e chorando de tristeza, marcados pela aflição, mas eles não acreditaram no anúncio e no testemunho da mulher, talvez porque não podiam admitir a idéia de que Jesus não viesse direto a eles, mas primeiro aparecesse a uma mulher....era inconcebível.
Mais tarde Jesus apareceu a dois discípulos que iam para Emaús e estes foram anunciá-lo aos demais mas quem diz que os discípulos acreditaram,....Talvez estivessem excessivamente preocupados sobre que rumo iriam tomar, o que deveriam fazer, Jesus lhes havia dito apenas para propagarem o evangelho e batizar as pessoas, nada mais. Madalena e os dois discípulos, que haviam feito essa experiência estavam fazendo exatamente o que o Mestre havia mandado. Talvez estivessem fazendo alguma reunião de planejamento pastoral, as vezes fazemos uma reunião, para preparar outra reunião....
Os discípulos, tanto como os agentes pastorais de nossos tempos, queriam FAZER. Então durante uma refeição quando estavam é mesa Jesus apareceu aos onze e deu uma "dura" por não terem acreditado no anúncio e no Testemunho que haviam presenciado. E para que não houvessem mais dúvidas sobre a missão primária da Igreja, repetiu-lhes o que já lhes havia falado "Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura"
Que a Igreja precisa ter uma organização em sua estrutura e nos trabalhos pastorais, isso não resta a menor dúvida, mas não podemos nos acomodar e deixar que tantos trabalhos e compromissos, acabem sendo mais importantes do que o anúncio e o testemunho pessoal, senão estaremos priorizando o que não é essencial, e o pior, os nossos trabalhos pastorais, tantos encontros e reuniões não passarão de um grande "oba-oba", que não terá nenhuma serventia....Muita propaganda sobre o que fazemos, quem somos na comunidade, a importância daquilo que fazemos. Quando a Jesus e seu evangelho, quando dá tempo a gente se lembra e até fala um pouco dele. "E com licença que agora tenho uma reunião importante...."

Diác. José da Cruz


DIA 27/04/14 - DOMINGO - Evangelho - Jo 20,19-31

Estamos iniciando hoje o 2º Domingo da Páscoa. Com certeza nossos corações devem estar em festa, pois a alegria contagiante da ressurreição de Cristo necessita ser vivenciada todos os dias.
No Evangelho segundo João observamos o medo dos discípulos após a morte de Jesus. Eles tinham medo dos judeus, pois seu mestre estava morto. O medo e a insegurança são sensações normais do ser humano. Porém, o medo e a insegurança constantes representam perigo, uma vez que nos trancamos em nosso mundo para não nos revelarmos aos outros.
De uma forma esplendorosa Jesus entra no local onde os discípulos estão. E a primeira frase que ele diz é: “A paz esteja convosco”. É o primeiro encontro de Jesus com os discípulos após a sua ressurreição. O que pode vencer o medo e a insegurança? O que vence o medo e a insegurança é a “PAZ”.
Jesus transmite aos discípulos a missão que recebeu do Pai. Ele também manda a eles Espírito Santo. E assim eles poderão perdoar os pecados de todos os que assim desejarem. Receber o Espírito Santo é receber a força que ilumina todo o nosso ser, nossas palavras e ações.
Ao continuarmos a meditar o Evangelho vemos um segundo momento. Este segundo momento é marcado pela incapacidade de Tomé de ver Jesus pela fé. Tomé, não estando no momento em que Jesus apareceu aos outros discípulos, nega acreditar nas palavras do que viram Jesus. Tomé quer ir mais além, ele quer tocar o Cristo. Sua fé ainda não consegue dar forças para sua maneira de ver.
Assim também somos muitos de nós. Esperamos o tempo todo que “milagres” possam acontecer para que possamos acreditar em Deus. Acreditar em Deus não está somente na esfera de milagres, de ações visíveis de Deus em nossa vida. Acreditar em Deus vai muito mais além. Acreditar está no âmbito de ter a certeza em nossos corações na existência da Trindade Santa, sem à espera de milagres.
Após oito dias Jesus vai até onde estão os discípulos. Desta vez Tomé está lá. Tomé, então, percebe que seus amigos diziam a verdade. Ele se sente envergonhado, mas cai de joelhos aos pés de Jesus. E vê que este é o “seu Senhor e o seu Deus”. Felizes somos todos nós que acreditamos sem precisarmos ver e querer que obras magníficas aconteçam em nosso dia-a-dia.
Que nesta Páscoa possamos buscar experimentar Jesus todos os dias em nossas orações e nossas ações diárias. Amar e acreditar em Deus não é algo que está distante de nós, muito pelo contrário, é algo simples e fácil de realizar. Basta querer!

Acreditar pela Fé.
Professor Isaías da Costa


Nenhum comentário:

Postar um comentário