sábado, 23 de fevereiro de 2013

ESCOLA DE FORMAÇÃO NA FÉ COM ADULTOS



PARA MELHOR VIVENCIARMOS O ANO DA FÈ
 

ESCOLA DE FORMAÇÃO NA FÉ COM ADULTOS
 
2º MODULO

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
 
TEMA:  “FÉ: RESPOSTA DO HOMEM À
 
PROPOSTA DE DEUS” (20/2//2013)
 
 
 
 
 
 
 
Mantra: Onde reina o amor, fraterno amor/Onde reina o amor, Deus aí está!
A FÉ É TRANSMITIDA DE PESSOA A PESSOA
(duas velas sobre a mesa, no centro)
No dia de nosso batismo, nossos pais e padrinhos prometeram nos formar na fé. Hoje, vamos reviver
aquele acontecimento, pois éramos pequenos e não nos lembramos daquele dia em que nascemos para Deus.
              (convidar uma ou duas pessoas de mais idade)
 Imaginamos que você quando era criança recebeu a fé de seus pais. Rezou o Santo Anjo, com as
mãozinhas juntas, ajoelhado ao lado da mãe, aos pés da cama. Você cresceu e ninguém conseguiu apagar a luz da fé. Essa fé guiou a sua vida.
Agora você vai pegar uma vela, que está sobre a mesa. Vai acendê-la e se aproximar de uma pessoa,
entregar-lhe a vela acesa, colocar a mão sobre o seu ombro e dizer com entusiasmo: “Receba a luz de Cristo”. Em seguida, voltar ao seu lugar.
A pessoa que recebeu a vela fará a mesma coisa com outras pessoas. E assim sucessivamente até passar
por todos.
Como a fé é transmitida? É o Papa que transmite a fé anosso filhos? É o Bispo de nossa Diocese? É o
padre? Não! Certamente eles ajudam. Mas a fé nós recebemos no berço da família. Depois, somos ajudados pela fé vivida e celebrada por toda a comunidade.
CANTO: Deixa a luz do céu entrar

          Sucede não poucas vezes que os cristãos sintam maior preocupação com as consequências sociais, culturais e políticas da fé do que com a própria fé” (“Porta Fidei” nº 02). Pois supõe-se que a fé é algo comum à vida de todos

De fato, este pressuposto não só não aparece como tal, sendo que, inclusive com frequência é negado.

     Enquanto que no passado era possível reconhecer um tecido cultural unitário,
amplamente aceito em sua referência ao conteúdo da fé e aos valores inspirados por ela, hoje não parece que seja assim em vastos setores da sociedade,
a causa de uma profunda crise de fé que afeta a muitas pessoas.

 FÉ: O QUE É ISSO?

Como me relaciono com Deus é o termômetro para minha fé: dou resposta ou exijo resposta

A fé em Deus é algo que envolve a vida e todo nosso ser: sentimento, coração, inteligência, vontade e relacionamentos.

Com a fé tudo muda em nós; pela fé se revela com clareza o sentido de nossa vida e o nosso destino futuro; pela fé nos tornamos peregrinos a caminho do céu.

A fé nos disponibiliza para Deus que é amor

A fé nos faz acolher Deus que se encarnou e entregou sua vida por nós.

A fé nos abre a porta do céu e nos faz entender que somente no amor está a realização plena do ser humano

                     A fé é conhecimento e confiança. Tem sete características:

A fé é uma pura dádiva de Deus, que nós obtemos se intensamente a pedirmos;

A fé é a força sobrenatural de que necessariamente precisamos para alcançar a salvação;

A fé requer vontade livre e lucidez do ser humano quando ele se abandona ao convite divino;

A fé é absolutamente segura porque Jesus o garante;

A fé é incompleta enquanto não se tornar operante no amor;

A fé cresce na medida em que escutamos cada vez melhor a Palavra de Deus e permanecemos com Ele, na oração, em vivo intercâmbio;

A fé permite-nos já a experiência do alegre antegozo do Céu
 

ATITUDE TRADICIONAL DE FÉ
ACREDITAR EM DEUS
envolve a razão
o homem aprende uma doutrina
CONDUZ A UM SABER SOBRE DEUS
 
ATITUDE UMA FÉ QUE TRANSFORMA
COMPROMETER-SE COM DEUS
envolve o homem total
o homem desenvolve uma prática de vida
CONDUZ À CONVERSÃO


TER UMA RELIGIÃO OU SER CRISTÃO?

 Ter uma religião é apegar-se a algo, até mesmo criar algo ao nosso modo.

TER UMA RELIGIÃO É APENAS CONSOLO ESPIRITUAL, QUERER TER BENEFÍCIOS. PRECEITO. TRADIÇÃO...

 Ser cristão é ter clara consciência de quem seguimos: JESUS CRISTO- Filho Único de Deus, que se fez um de nós.

Vem ao nosso encontro para nos revelar quem é Deus: “Muitas vezes e de modos diversos, falou Deus outrora a nossos pais pelos profetas. Nos últimos tempos nos falou pelo seu Filho. Foi por meio dele que Deus criou o universo, e ele foi escolhido por Deus para herdar todas as coisas” (Hb 1,1-2)

        Assim, somos cristãos se reconhecemos que Deus se revelou e tem na sua Palavra uma proposta para nós.

Ser cristão/ã é dizer SIM à proposta que Deus me faz.

O/a cristão/ã é uma RESPOSTA VIVA à proposta de Deus. Esta resposta se aprofunda interiormente durante a vida e transborda nos atos externos da pessoa.

 SER CRISTÃO E TER A MESMA MISSÃO DE JESUS: CONSTRUIR O REINO. PELA FORÇA DO ESPÍRITO SANTO TRANSFORMAR A FACE DA TERRA.

“NAO SE AMOLDEM ÀS ESTRUTURAS DESTE MUNDO, MAS TRANSFORMEM-SE PELA RENOVAÇÃO DA MENTE, A FIM DE DISTINGUIR QUAL É A VONTADE DE DEUS; O QUE É BOM, O QUE É AGRADÁVEL A ELE, O QUE É PERFEITO” Rm 12,2) (usando os talentos, os dons que Deus nos deu)

A Bíblia é o livro que registra este acontecimento extraordinário: Deus que se revela a nós. E apresenta também o caminho da vida segundo a proposta de Deus.

Não basta dizer que sou cristão. Para a vida cristã crescer segura temos que alicerçá-la.

 
CRER:Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda a criatura. Quem CRER e for batizado será salvo. Quem não CRER será condenado” (Mc 16, 16)

CELEBRAR:Naquela mesma hora, Jesus exultou no Espírito Santo e disse: “Eu te louvo Pai do céu e da terra...”(Lc 10,21)

VIVER:Nem todo aquele que me diz: “Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas só aquele que põe em prática a vontade de meu Pai” (Mt7, 21)

ORAR:Um dia, Jesus estava orando num certo lugar. Quando terminou um de seus discípulos pediu: “Senhor, ensina-nos a orar” (Lc 11, 1)

 
CRER: Não é só “acreditar”, mas “saber”. Abrange todo o ser humano.

CRER é “conhecer e “saber”. Não é um jogo de palavras vazias, mas a realidade.

Quem diz «Creio» afirma: «dou a minha adesão àquilo em que nós cremos» A comunhão na fé tem necessidade duma linguagem comum da fé, normativa para todos e a todos unindo na mesma confissão de fé.

186. Desde a origem, a Igreja apostólica exprimiu e transmitiu a sua própria fé em fórmulas breves e normativas para todos (1). Mas bem cedo a Igreja quis também recolher o essencial da sua fé em resumos orgânicos e articulados, destinados, sobretudo aos candidatos ao Batismo.

«Esta síntese da fé não foi feita segundo as opiniões humanas: mas recolheu-se de toda a Escritura o que nela há de mais importante, para apresentar na integra aquilo e só aquilo que a fé ensina. E, tal como a semente de mostarda contém, num pequeno grão, numerosos ramos, do mesmo modo este resumo da fé encerra em algumas palavras todo o conhecimento da verdadeira piedade contido no Antigo e no Novo Testamento»

CRER É MUITO MAIS QUE ACREDITAR, É COMPROMETER-SE. NOSSA RESPOSTA a um Deus amoroso que se revela a nós na Bíblia. Não quer nos falar de coisas, mas de sua própria Pessoa, como Ele é. Quer estabelecer relação.

CRER É ACEITAR O EVANGELHO de Jesus e o testemunho dos apóstolos. Esta fé é necessária para a salvação, pois como nos diz Jesus: ”Quem crer e for batizado será salvo. Aquele que não crer será condenado” (MC 16,16)

A fé nos faz corajosos em proclamar mesmo diante de todas as adversidades.

 
O CRER, a Fé, é a primeira base, exigência da vida cristã. CONHECER, SABER em QUEM e em QUE eu Creio, em, quem coloco a minha fé, é o essencial e sem isso a vida não tem sentido. Precisamos CONHECER E SABER onde pisamos. (At 4,12; Rm 10,17; Hb 11, 1)

“Em nenhum outro há salvação, pois não existe debaixo do céu outro Nome dado à humanidade pelo qual deveis ser salvos” (Cristo Jesus) (At 4,12)

“Logo, a fé vem pela pregação e a pregação, pela palavra e Cristo” (Rm10,17)

 “A fé é a certeza daquilo que ainda se espera, a demonstração de realidades que não se vêem”(Hb 11,1) 
 

CRER nos faz responder a Deus, quando Ele nos aborda: “Ora, sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem Dele se aproxima deve crer que Ele existe e recompensa os O procuram” (Hb 11,6)

A FÉ me dá vida nova, me FAZ IGREJA

Não há contradição entre FÉ e CIÊNCIA, entre CRIAÇÃO e EVOLUÇÃO. A ciência deve respeitar a dignidade do ser humano.

 Tudo Deus criou por Amor, porque é AMOR (“Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como Eu vos amei, assim também deveis amar uns aos outros. Nisto todos conhecereis que sois meus discípulos se vos amardes uns aos outros” (Jo 13, 34-35)

 
    SIMBOLO DOS APÓSTOLOS                SÍMBOLO NICENO-CONSTANTINOPOLITANO

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra. E em Jesus Cristo, seu único Filho Nosso Senhor, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado, desceu a mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos Céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e mortos. Creio no Espírito Santo. Na Santa Igreja Católica, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém.
Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis
Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos:
Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro,
gerado não criado,consubstancial ao Pai. Por Ele todas as coisas foram feitas. E, por nós, homens,
e para a nossa salvação,desceu dos céus: e se encarnou pelo Espírito Santo,no seio da Virgem Maria,
e se fez homem. Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as escrituras; E subiu aos céus, onde está sentado à direita do Pai. E de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os mortos;
e o seu reino não terá fim. Creio no Espírito Santo,
Senhor que dá a vida, e procede do Pai; e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado: Ele que falou pelos profetas. Creio na Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica. Professo um só batismo para remissão dos pecados. Espero a ressurreição dos mortos; E a vida do mundo que há de vir. Amém

 
O CREDO NICENO-CONSTANTINOPOLITANO

            O Credo da Igreja tem o nome de Niceno-Constantinopolitano, pois foi escrito formalmente durante o primeiro Concílio Ecumênico em Nicéia (no ano 325) e o segundo Concílio Ecumênico em Constantinopla (no ano 381).
      A palavra “credo” vem do latim e quer dizer “creio”. Na Igreja ortodoxa nos referimos a ele como o Símbolo da Fé, que literalmente significa a reunião ou a confissão da Fé.
       No século IV uma grande controvérsia se desenvolveu na cristandade sobe a natureza do Filho de Deus a quem também a Escritura se refere como o Verbo ou o Logos.

           Alguns diziam que o Filho de Deus era uma criatura criada por Deus.

          A controvérsia se propagou por todo o mundo cristão, e foram realizados vários Concílios que fizeram muitas afirmações sobre a fé na natureza do Filho de Deus.

       Foi a definição proclamada pelo Concílio convocado pelo Imperador Constantino na cidade de Nicéia em

325,
                  Depois da controvérsia sobre o Filho de Deus, e essencialmente relacionada com ela, surgiu o conflito

sobre o Espírito Santo. Sendo assim necessárias as definições proclamadas pelo Concílio em Constantinopla em

381.
            Este Símbolo da Fé completo foi adotado por toda a Igreja. Colocou-se na primeira pessoa do singular

“Creio”, se usa para a confissão de Fé oficial e formal que uma pessoa (ou o seu padrinho) faz no momento de

seu batismo.

 O Credo faz parte da vida dos cristãos. É um elemento essencial da Divina Liturgia. Por ele que cada pessoa aceita e renova, formal e oficialmente, suas promessas batismais e confirma ser membro da Igreja.     Assim o Símbolo da Fé é a única parte da liturgia que está em primeira pessoa do singular, sendo que todos os outros hinos e orações estão em plural. Isto, como já veremos, é assim porque a Fé é primeiramente pessoal e somente depois comunitária e coletiva.

A PROFISSÃO DE FÉ

Podemos em termos gerais falar de 5 partes: Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, Santa Igreja e Verdades da Fé

Primeira parte – DEUS PAI

Creio em um só Deus, Pai Todo-Poderoso, criador do Céu e da Terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis.

Segunda parte – DEUS FILHO

Creio em um só Senhor Jesus Cristo, Filho único de Deus Gerado e não criado, consubstancial ao Pai;

Por quem todas as coisas foram feitas e por nós homens e para nossa salvação, desceu dos céus e Encarnou pelo Espírito Santo, no seio de Maria Virgem e se fez homem.

Também por nós foi Crucificado sob Pôncio Pilatos, morreu e foi sepultado;

Ressuscitou ao terceiro dia conforme as Escrituras;

E subiu aos céus onde está sentado à direita de Deus Pai;

De novo há-de vir para julgar os vivos e os mortos e o seu Reino não terá fim;


Terceira parte – DEUS ESPÍRITO SANTO

Creio no Espírito Santo, Senhor e fonte de vida, que procede do Pai e com o Pai e o Filho recebe a mesma adoração e a mesma glória. Foi Ele que falou pelos Profetas.

 Quarta parte – SANTA IGREJA

Creio na Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica

 Quinta parte – VERDADES DA FÉ

10-Reconheço um só Batismo para a remissão dos pecados;

11-Espero a Ressurreição dos mortos;

12-E a vida do mundo que há-de vir.

Amém

O CREDO PARTE POR PARTE

1-CREIO EM DEUS PAI TODO PODEROSO – É Pai, porque é o autor da vida, e que é todo poderoso, porque para Ele tudo é possível (Mt 19.26; Mc 10,2;’Mc 14,36).

Este Deus que é Pai e Mãe ao mesmo tempo é Criador do céu e da terra (Gn 1). É Todo Poderoso porque só sabe amar e seu amar é construir, é resgatar.

Deus Uno e Trino: Há Um só e verdadeiro Deus, eterno, imenso e imutável, PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO:

três Pessoas, mas uma ÚNICA ESSÊNCIA E UMA SUBSTÂNCIA

Deus é Pai é o Criador, a fonte de tudo. A criação é o fundamental  de todos os desígnios salvíficos de Deus, o começo da história da salvação que culmina, posteriormente em Cristo.

Deus criou o mundo a fim de manifestar sua perfeição e para que o homem e a mulher O glorificasse, conhecendo-, amando-O e assim participando da Sua felicidade no tempo e na eternidade.

Nosso Deus é Todo Poderoso, ou seja, para Ele nada é impossível (Lc 1,37)

Ele é o Senhor da história, governando os corações humanos e os acontecimentos segundo Sua vontade.

 POR QUE CRER EM DEUS COMO PAI?

 A tentação que Jesus sofre durante toda a sua vida é desconhecer que é Filho de Deus. Por isso em três vezes o demônio lhe diz: “Se és o Filho de Deus” (Lc 4,3-7.9). “A paternidade divina sobre Cristo é o centro de toda a oposição diabólica a Deus”.

A tentação aos fiéis também abala a sua condição de filhos de Deus. São induzidos a abandonar o Pai (Deus) e  buscar outros deuses que serão os “pais” de suas vidas. É a mesma tentação que os judeus sofreram no deserto. O tentador queria desviá-los da adoração devida só a Deus, como no caso do bezerro de ouro, da fome e das águas do Meriba. Esta é também a tentação dos primeiros pais no Paraíso. O homem é tentado a ser igual a Deus e não filho.

A tentação no mundo de hoje continua sendo a mesma. O homem quer ser Deus. A tentação, o que é? Desejo de prender-se ao bem-estar, consumismo, dinheiro, religião milagreira, que põe a fé a serviço dos interesses pessoais.

 2-E EM JESUS CRISTO, SEU ÚNICO FILHO, NOSSO SENHOR: É o próprio Pai que o reconhece tanto no Batismo de Jesus (Mt 3, 13-17), como na cena da transfiguração (Mt 17, 2-9). Cristo Nosso Senhor, SENHOR DA NOSSA VIDA, ÚNICO CAMINHO DE SALVAÇÃO. (At 4,12)

Só Ele é o Único Senhor (Fl 2,9-11) “Senhor” significa “Deus”- sabemos disso pela tradução grega do Antigo Testamento, que traduziu a palavra hebraica para DEUS como KYRIOS (SENHOR): ”O Senhor Deus é o Único Senhor” (Dt 6,4).

Portanto, quando o Novo Testamento proclama Jesus é o Senhor, está mostrando a fé em sua divindade. Como Tomé ao ver Jesus Ressuscitado, devemos dizer: “Meu Senhor e meu Deus” (Jo 20,28)

3-QUE FOI CONCEBIDO PELO ESPIRITO SANTO, NASCEU DA VIRGEM MARIA: São Lucas deixa bem claro ao descrever a anunciação e o nascimento de Jesus (Lc 1-2);

A Palavra (o Verbo) se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14)

 4-PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO MORTO E SEPULTADO

Todos os evangelistas relatam a paixão e morte de Jesus (Mt 26-27’Mc 14-15; Lc 22-28; Jo18-19);

Crucificado e morto: a obra da redenção foi operada no calvário para a remissão dos pecados e totalmente imerecido e universal.

IMERECIDO: porque, como pecadores, não tínhamos o direito à sua divina misericórdia

UNIVERSAL: porque Deus quer que todos sejam salvos (I Tm 2,4)

A morte de Jesus é sinal de seu grande amor por mim e por você (Não foram os pregos que prenderam Jesus na cruz, mas o seu infinito amor por mim e por você)

Sepultado: Jesus Cristo foi posto no túmulo para mostra-nos que foi o mesmo redentor que morreu e ressuscitou gloriosamente do sepulcro, visto que o “Príncipe da Vida” que mataram (At 3,15) é o mesmo “vivente que ressuscitou” (Lc 24,5-6)

 5-DESCEU À MANSÃO DOS MORTOS, RESSUSCITOU AO TERCEIRO DIA desceu à mansão dos mortos (I Pd 4,6); e todos relatam que ele ressuscitou ao terceiro dia (Mt 28;Mc 16; Lc 24; Jo 20; I Cor 15;) (At 2,22-24)

A mansão dos mortos era o lugar onde estavam todos os justos do Antigo Testamento, esperando o Messias Jesus pregar-lhes a Boa Nova da salvação  e levá-los ao Paraíso (I Pd 3,18-19)

 6-SUBIU AOS CÉUS, ESTÁ ASSENTADO À DIREITA DE DEUS PAI TODO PODEROSO: ”E o Senhor Jesus, depois de ter-lhes falado, foi arrebatado ao Céu e está sentado à direita de Deus!” (Mc 16, 19). Lá Jesus nos espera, pois já levou para o céu nossa humanidade.   (Mt 25,31-46)- O próprio Deus o constitui Senhor e Mestre (At 2,36)

 7-DONDE HÁ DE VIR A JULGAR OS VIVOS E OS MORTOS: A Igreja que crê que um dia Jesus virá sobre as nuvens do céu, julgar os vivos e os mortos (Juízo final). A vitória sobre a morte e as forças do mal sacudirá o mundo inteiro. (Rm 14,9; Ef 1,21-22; Ef 4,10; I Cor 15,24.27-28)

 “A fé se concretiza no amor” (Gl 5,6

“Portanto, dedicai todo o esforço para acrescentar à fé a fortaleza à fortaleza o conhecimento, ao conhecimento o domínio próprio, ao domínio próprio a constância, à constância a piedade, à piedade a fraternidade, à fraternidade o amor.

Como gesto concreto, assumamos o compromisso de dar testemunho de nossa fé, por exemplos, usar a nossa boca para proclamar a verdade, sem usar de palavras grosseiras, palavrões ou maledicências, como nos exorta São Paulo: “Nenhuma palavra má saia da tua boca, mas somente a palavra boa que possa edificar na fé e fazer bem aos que te ouvem” (Ef 4,29)

Oremos: Ó Deus, que convertes os pecadores tornando-os teus amigos, volve a Ti os nossos corações. Tu que nos livraste das trevas com o dom da fé, não permitas que jamais nos separemos de Ti, luz da verdade. Por Cristo Nosso Senhor. Amém!

 PARA CONVERSAR E APROFUNDAR

1-Como o homem responde a Deus?

-Sustentado pela graça divina, o homem responde a Deus com a obediência da fé, que consiste em entregar-se com plena confiança a Deus e em acolher Sua verdade, enquanto garantida por Ele que é a propria Verdade.

 2-Quais são as caracteristicas da fé?

-A fé é dom gratuito de Deus a quem a pede humildemente. É uma virtudfe sobrenatural necessaria para a salvação. O ato de fé é um ato humano, isto é, um ato de inteligencia do homem, que por decisão da vontade, movida por Deus dá livremente seu assentimentoà verdade divina. Além disso, a fé é certa, porque se funda na Palavra de Deus; torna-se concreta “no amor” (Gl 5,6); cresce continuamente, de modo especial, graças à escuta da Palavra de Deus e à oração. Ela faz-nos saboarear antecpadamente a alegria do céu (Hb11,1)

3-Por que não há contradições entre a fé e a ciência?

-Embora a fé supere a razão, nunca poderá existir contradição entre fé e ciência, porque ambas têm origem. É o mesmo Deus que dá ao homem tanto a luz da razão quanto a luz da fé.

Crê para compreender; compreende para crer” –Santo Agostinho

 4-Por que a fé é um ato pessoal e ao mesmo tempo eclesial?

-A fé é um ato pessoal, porque é uma resposta livre do home a Deus que se revela. É ao memso tempo um ato eclesial que se exprime pela firmação “nós cremos”. De fato, é a Igreja que crê; desse modo, ela, com a graça do Espírito Santo, precede, gera e nutre a fé dos inidviduos. Por isso a Igreja é Mãe e Mestre.

5-Por que as formulas da fé são importantes?

As formulas da fé são importantes, porque permitem exprimir, assimilar, celebra e paritlhar com os outros as verdades da fé, uesano uma linguagem comum.

6-Por que a profissão de fé começa com “Creio em Deus Pai”?

-Porque a afirmação “Creio em Deus Pai” é amais importante, fonte das outras verdade que se referem ao homem, ao mundo e à vida de pessoas que creem em Deus. Reconhcer que temos um Pai e que tudo pertence a Ele

7-Com que nome Deus se revela?

-Deus se revela a Moisés como Deus vivo, “o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacó” (Ex 3,6)A Moisés Deus também revela o seu nome misterioso, dizendo: “Eu sou Aquele que sou (YHWH) (Ex 3,14) O Nome inefavel de Deyus, já nos tempos do Antigo Testamento, foi substituído pela palavra “Senhor”. Assim no Novo Testamento, ao ser chamdo de “Senhor” Jesus é qualificado como verdadeiro Deus.

 8-Só Deus é?

-Enquanto as criaturas receberam Dele tudo o que são e têm, só Deus é em si mesmo a pelnitude do ser e de toda a perfeição. Ele é “Aquele que é”, sem origem e sem fim. Jesus revela a respeito de si mesmo que também Ele é portador do Nome divino quando afirma “Eu sou” (Jo 6; Jo 8, 28; Jo 10; Jo 11; Jo 15)

 

 

 

 

 

ESCOLA DE FORMAÇÃO NA FÉ COM ADULTOS




PARA MELHOR VIVENCIARMOS O ANO DA
 
 
ESCOLA DE FORMAÇÃO NA FÉ COM ADULTOS
 
1º MODULO

 CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
 
 1º Tema:“DEUS VEM AO ENCONTRO DO HOMEM” (16/1/2013)
 
 
 
 1-Ao tocar os ouvidos com a cruz: Receba nos ouvidos o sinal-da-cruz, para que você ouça a Palavra de Deus”

2-Ao tocar os olhos coma cruz: “Receba nos olhos o sinal-da-cruz, para você veja a glória de Deus”

3-Ao tocar a boca com a cruz: “Receba na boca o sinal-da-cruz, para que você anuncie a Palavra de Deus”

4-Ao tocar o peito com a cruz: ”Receba no peito o sinal-da-cruz, para que Cristo habite pela fé em seu coração”

5-Ao tocar o ombro: “Receba nos ombros o sinal-da-cruz, para que você carregue o jugo suave de Cristo”

 Animador: Acabamos de ser tocados pela cruz de Cristo, instrumento da nossa salvação. O nosso gesto concreto deve ser viver este tempo como tempo de verdadeira penitência e conversão

Todos: Senhor, nosso Deus, Pai de infinita misericórdia, aumentai a nossa fé. Fazei que sejamos cada vez mais fiéis ao amor de Vosso Filho Jesus Cristo, que nos amou até o fim em sua morte de Cruz. Ele, que convosco vive e reina na unidade do Espírito Santo. Amém

INTRODUÇÃO

Na história da humanidade está presente o pecado. Essa realidade se esclarece plenamente apenas à luz da Revelação divina e, sobretudo, à luz de Cristo Salvador que fez “superabundar a graça onde abundou o pecado” (Rm 5,20)

A história da humanidade é nossa e como um livro, é feita de vários capítulos. O primeiro capítulo é maravilhoso, nos seduz a cada instante e sabemos de cor e salteado. Deus nos criou por amor e derramou sobre nós centelhas de sua vida divina, nos fez participantes da sua mesma divindade, nos enriqueceu com dons, cheios de graça e de bondade. Fomos criados para viver em harmonia com todo o universo, com os outros, com os animais e com a criação. E não teríamos experimentado a morte, nem a dor, nem as lagrimas, nem o sofrimento, tudo seria alegria e jubilo. O dom da liberdade, usado mal, nos fez perder como por encanto a beleza e harmonia da vida. A palavra que abre este segundo capítulo não nos agrada, mas ela está lá: é “queda ou pecado”.

TRÊS MOMENTOS DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE E DO SER HUMANO:

1º- O homem criado seria aquele  que nós contemplamos antes do pecado, cheio de paz, de harmonia e de amor, incapaz de fazer o mal

2º- O homem decaído que nós contemplamos depois do pecado original, onde o ser humano experimenta toda sua fragilidade e sua vergonha, por não ter agido segundo as normas de Deus, “de não comer do fruto da árvore do bem e do mal. A vergonha de encontrar-se com Deus. Como um menino travesso que, sabendo ter agido mal e percebendo a chegada do pai, corre a esconder-se porque está “nu”, isto é, sabe que é pecador e frágil. Deveria ter corrido aos braços de Deus e em Deus ter confiado para sempre.

3º- O homem remido, comprado de novo, resgatado pelo sangue de Cristo. Essas imagens são muito bonitas e nos ajudam a entrar no mistério do pecado e do amor. O pecado, visto à luz de Deus não deve fechar nosso coração e nem nos faz fugir de Deus, mas sim correr para Ele na certeza de seu amor e de seu perdão. Vale a pena ler e meditar silenciosamente o primeiro texto da introdução, em especial as últimas palavras são de uma força impressionante: “onde abundou o pecado, superabundou a graça”.

Somos lavados na graça de Deus e não devemos ter medo de nossos pecados, mas colocá-los diante do amor de Deus para que sejam destruídos. Se a liberdade nos faz pecar, a liberdade nos faz voltar para Deus.

 

CRER, CONFIAR E AMAR

 

(ESTUDAR O TEXTO COMPLETO NO CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA parágrafos 1 a 184)

PAI... a vida eterna é esta: que eles conheçam a Ti, ó Deus único e verdadeiro, e Aquele que enviaste, Jesus Cristo” (Jo 17,3).

“Deus, nosso Salvador...quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade” (I Tm 2,3-4).

“Não há, debaixo do céu, outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (At 4,12), afora o nome de JESUS

A VIDA DO HOMEM – CONHECER E AMAR A DEUS

 

Deus, infinitamente Perfeito e Bem-Aventurado em si mesmo, em um desígnio de pura bondade criar o homem para participar da sua vida bem-aventurada. Chama-o, ajuda-o a procurá-Lo, a conhecê-Lo e a amá-Lo com todas as suas forças. Faz isso enviando Seu Filho Jesus Cristo, como Redentor e Salvador quando os tempos se cumpriram. Nele e por Ele, chama os homens a se tornarem, no Espírito Santo, seus filhos adotivos, e, portanto, os herdeiros de sua vida bem-aventurada.  

A fim de que este chamado ressoe pela terra inteira, Cristo enviou os apóstolos que escolhera dando-lhes o mandato de anunciar o Evangelho: “Ide, fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinado-as a observar tudo quanto vos ordenei. E eis que Eu estou convosco todos os dias até à consumação dos séculos” (Mt 28,19-20)

 

PARTE I: EU CREIO- NÓS CREMOS

 CAPÍTULO I: O HOMEM É “CAPAZ” DE DEUS

O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, já que o homem é criado por Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem a si, e somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar.

 

AS VIAS DE ACESSO AO CONHECIMENTO DE DEUS

1º) O mundo: A partir do movimento, das pessoas, da ordem e da beleza do mundo

2º) O homem:  com sua abertura à verdade e à beleza, com seu senso de moral, com a sua liberdade e a voz da sua consciência, com a sua aspiração ao infinito e à felicidade, o homem se interroga a respeito de Deus

 

CAPÍTULO II: DEUS VEM AO ENCONTRO DO HOMEM

I-A REVELAÇÃO DE DEUS

O próprio Deus, em sua bondade e sabedoria tomou a iniciativa de revelar-se

 

II-ETAPAS DA REVELAÇÃO

Pela Criação

A Aliança com Noé

Aliança com Abraão

Formação do Povo Israel

Profetas

CRISTO JESUS “MEDIADOR E PLENITUDE DE TODA REVELAÇÃO”

 

TRANSMISSÃO DA REVELAÇÃO

1-A pregação dos apóstolos continuada na sucessão apostólica

2-Tradição e Sagrada Escritura:

           Antigo Testamento e Novo Testamento, sendo que os quatro Evangelhos ocupam um lugar central, já que Cristo é o centro deles.

 

CAPITULO III: A RESPOSTA DO HOMEM A DEUS

Por sua Revelação, “o Deus invisível, levado por seu grande amor fala aos homens como a amigos, e com eles se entretém para os convidar à comunhão consigo e nela os receber” (DV).

A RESPOSTA ADEQUADA A ESTE CONVITE É A  

Pela fé o homem submete completamente sua inteligência e sua vontade a Deus. Com todo o seu ser o homem dá seu assentimento a Deus revelador.

A Sagrada Escritura denomina “obediência da fé” esta resposta do homem ao Deus que revela

 

I-EU CREIO-NÓS CREMOS

O “crer” tem uma dupla referência: à verdade e à pessoa; à verdade, por confiança na pessoa que a atesta.

Não devemos crer em ninguém a não ser em Deus, o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

A fé é um dom sobrenatural de Deus. Para crer o homem tem necessidade dos auxílios interiores do Espírito Santo

 “Crer” é um ato humano, consciente e livre, que corresponde à dignidade da pessoa humana

“Crer” é um ato eclesial. A fé da Igreja precede, gera, sustenta e alimenta a nossa fé. A Igreja é a mãe de todos os crentes. “Ninguém pode ter a Deus por Pai, que não tenha a Igreja por mãe”

 “Nós cremos tudo o que está contido na Palavra de Deus, escrita ou transmitida, que a Igreja propõe a crer como divinamente revelado”

“A fé é um antegozo do conhecimento que nos tornará bem- aventurados na vida futura” (Hb 11,1)

 

O CREDO

    SIMBOLO DOS APÓSTOLOS                               SÍMBOLO NICENO-CONSTANTINOPOLITANO

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra. E em Jesus Cristo, seu único Filho Nosso Senhor, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado, desceu a mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos Céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e mortos. Creio no Espírito Santo. Na Santa Igreja Católica, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém.
Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis
Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos:
Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro,
gerado não criado,consubstancial ao Pai. Por Ele todas as coisas foram feitas. E, por nós, homens,
e para a nossa salvação,desceu dos céus: e se encarnou pelo Espírito Santo,no seio da Virgem Maria,
e se fez homem. Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as escrituras; E subiu aos céus, onde está sentado à direita do Pai. E de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os mortos;
e o seu reino não terá fim. Creio no Espírito Santo,
Senhor que dá a vida, e procede do Pai; e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado: Ele que falou pelos profetas. Creio na Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica. Professo um só batismo para remissão dos pecados. Espero a ressurreição dos mortos; E a vida do mundo que há de vir. Amém

A fé não é estática. Sempre devemos aprofundá-la, esclarecê-la para que se solidifique e dê respostas seguras e claras aos questionamentos do dia-a-dia.

Por isso o Ano da Fé é um tempo especial de formação para redescobrir- cultivar e testemunhar a fé

 

“Sucede não poucas vezes que os cristãos sintam maior preocupação com as consequências sociais, culturais e políticas da fé do que com a própria fé” (“Porta Fidei” nº 02). Pois supõe-se que a fé é algo comum à vida de todos. De fato, este pressuposto não só não aparece como tal, sendo que, inclusive com frequência é negado.

 

       Enquanto que no passado era possível reconhecer um tecido cultural unitário,
amplamente aceito em sua referência ao conteúdo da fé e aos valores inspirados por ela, hoje não parece que seja assim em vastos setores da sociedade, a causa de uma profunda crise de fé que afeta a muitas pessoas.

   

       Não podemos deixar que o sal se torne sem sabor e a luz permaneça oculta (cf. Mt 5, 13-16).

 

      Como a samaritana, também o homem atual pode sentir de novo a necessidade de aproximar-se do poço para escutar Jesus, que convida a crer Nele e a tirar a água viva que emana de sua fonte


Porém aquele bebe da água que Eu lhe der não terá sede jamais, pois a água que eu lhe der se converterá nele em fonte de água que brota para a vida eterna”. Jo 4, 14

         Devemos redescobrir o gosto de alimentar-nos com a Palavra de Deus, transmitida fielmente pela Igreja, e o Pão da vida, oferecido como sustento a todos os que são seus discípulos


Eu sou o Pão vivo, descido do céu. Se alguém come deste pão, viverá para sempre;  e o pão que Eu lhe dou, é minha carne para a vida do mundo.» Jo 6, 51

          Com efeito, o ensinamento de Jesus resume, todavia, hoje com a mesma força: «Trabalhai não pelo alimento que perece, e sim pelo alimento que dura até a vida eterna o que os dará o Filho do Homem, porque a este é a quem o Pai, tem marcado com seu selo ». Jo 6, 27

      A pergunta feita pelos que o escutavam é também hoje a mesma para nós: «Que temos que fazer para realizar as obras de Deus?» (Jo 6, 28).

        Sabemos a resposta de Jesus: «A obra de Deus é que creiais Naquele que Ele enviou.» Jo 6, 29
        Crer em Jesus Cristo é, portanto, o caminho para poder chegar de modo definitivo à salvação.

 

      “À sua chegada reuniram a Igreja e se puseram a contar tudo quanto Deus havia feito juntamente com eles e como havia aberto aos gentios a porta da fé”. Atos 14, 27

        Cruza-se esse umbral quando a Palavra de Deus é anunciada e o coração se deixa modelar pela graça que transforma.

      Atravessar essa porta supõe empreender um caminho que dura toda a vida. Este começa com o Batismo, com o qual podemos chamar a Deus com o nome de Pai e se conclui com o passar da morte para a vida eterna, fruto da ressurreição do Senhor Jesus que, com o dom do Espírito Santo, faz unir em sua mesma glória a quantos crêem Nele.

Pelo Batismo fomos sepultados com Cristo em sua morte, para que, como Ele foi ressuscitado dos mortos pela ação gloriosa do Pai, assim também nós vivamos uma vida nova” Rom. 6,4

“Eu lhes tenho dado a glória que Tu  me deste, para que sejam um como nós somos um”. Jo 17, 22

 

        Professar a fé na Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo – equivale a crer em um só Deus que é Amor

Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é Amor”. 1 Jo 4, 8

        - O Pai, que na plenitude dos tempos enviou Seu Filho para nossa salvação;

        - Jesus Cristo, que no mistério de sua morte e ressurreição redimiu o mundo;

       -O Espírito Santo, que guia a Igreja através dos séculos na espera do retorno glorioso do Senhor.

 

CONCLUSÃO

Deus vem sempre ao encontro do homem
 
É preciso sempre se deixar alcançar por Ele, de coração aberto e disponível, e poder dizer como São Paulo:
“Eu já fui alcançado por Cristo Jesus” (Fl 3,12)
 
“A fé se concretiza no amor” (Gl 5,6)
 
“Portanto, dedicai todo o esforço para acrescentar à fé a fortaleza à fortaleza o conhecimento, ao conhecimento o domínio próprio, ao domínio próprio a constância, à constância a piedade, à piedade a fraternidade, à fraternidade o amor. Se estas qualidades existirem e crescerem em vós, não vos deixarão vazios e estéreis no conhecimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Mas quem delas carece é um míope, um cego: esqueceu-se que foi purificado de seus pecados de outrora” (II Pd 1,5-10)
 
O ser humano ou se torna imagem de Deus pelo amor, pela amizade, pela solidariedade com os outros;
Ou se torna imagem do animal que tem dentro si mesmo, pelo egoísmo, pela violência, pela agressividade...
É TEMPO DE SERMOS IMAGENS DO AMOR DE DEUS...

 

1-Para que estamos no mundo?

2-Por que procuramos Deus?

3-Por que Deus quis revelar-se? Como Deus se revela?

4-Como podemos responder a Deus? O que é fé?

5-Que compromisso/desafio você pode assumir para crescer na fé e melhor tetsmunhá-la?

6-O tema de hoje ajudou você? Como?

7-Alguma dúvida?

 

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

QUARESMA 2013



QUARTA-FEIRA DE CINZAS (13/2/2013)
“É agora o momento favorável, é agora o dia da salvação” (II Cor 6, 2)

            A Quarta-Feira de Cinzas marca o principio da Quaresma, e é um dia especialmente penitencial, no qual se manifesta o nosso desejo pessoal de conversão a Deus.
            A imposição das cinzas nos recorda que a nossa vida na terra é passageira e que a definitiva se encontra no céu



ORIGEM
Antigamente os judeus costumavam cobrir-se de cinza quando faziam
 algum sacrifício como desejo de conversão de sua má vida a uma vida com Deus.
No ano de 384 d.C., a Quaresma adquiriu um sentido penitencial e desde o século XI, a Igreja costuma colocar as cinzas ao iniciar os 40 dias de penitência e conversão.
Na Quarta-Feira de Cinzas, o cristão recebe uma cruz na fronte com as cinzas obtidas com a queima dos Ramos usados no Domingo de Ramos passado para recordar-nos que a glória terrena logo se reduz a nada.

CERIMÔNIA
A bênção e imposição das cinzas têm lugar dentro da Missa ou Celebração da Palavra, depois da homilia;
As fórmulas de imposição das cinzas se inspiram na Escritura: Gn, 3, 19 e Mc 1, 15, e podem ser:

“Concede-nos, Senhor, o perdão e faz-nos passar do pecado à graça e da morte para a vida”

 “Recorda que és pó e ao pó voltarás”

“Arrependei-vos e crede no Evangelho”




ATITUDE
A conversão é voltar para Deus, valorizando as realidades terrenas sob a luz constante de sua verdade e assim tomar consciência de que estamos de passagem nesta terra, e que devemos trabalhar até que o Reino de Deus se instaure dentro de nós e triunfe sua justiça.
Ao aproximar-nos do Templo onde receberemos as cinzas, expressamos com humildade e sinceridade de coração, que desejamos converter-nos e crer de verdade no Evangelho.



AS CINZAS
1) A cinza é símbolo de conversão;   de buscar uma mudança positiva nas atitudes com respeito a Deus e ao próximo.
2) A cinza é símbolo de nossa fragilidade e limitação humana e de tomar consciência de que morreremos e devemos aproveitar nossa vida fazendo deste mundo mais humano, mais justo e mais cristão.

3) A recepção da cinza é um ato pessoal e voluntário que se realiza sob a graça e a misericórdia de Deus.

4) Se recebe em uma celebração comunitária, porque é toda a Igreja quem intensifica neste período seu estado de conversão e purificação.

JEJUM E ORAÇÃO
Orar é colocar-nos na presença de Deus para receber Sua graça e Seu amor e o jejum favorece esta abertura do coração.
Este é um modo de pedir perdão a Deus por tê-Lo ofendido e dizer-lhe que queremos mudar de vida para agradá-Lo sempre.
A Quarta-Feira de Cinzas e a Sexta Feira Santa são dias de jejum e abstinência.
A abstinência é a partir dos 14 anos e o jejum dos 18 aos 59 anos.
O jejum consiste em fazer uma só refeição ao dia e a abstinência é não comer carne.

HOMILIA
A homilia faz referência à tripla direção da conversão:
a) A abertura a Deus, que é a escuta da sua Palavra, oração pessoal e familiar; participação mais ativa e frequente à Eucaristia e ao Sacramento da Reconciliação.
b) A abertura aos irmãos: com a esmola (caridade), que é antes de tudo caridade, compreensão, amabilidade e perdão.
c) E o jejum  que é o autocontrole, busca do equilíbrio em nossa escala de valores, renúncia às coisas supérfluas, sobretudo se a economia resulta em ajuda aos mais necessitados.

            Na Quarta-Feira de Cinzas a Igreja dá inicio à Campanha da Fraternidade, que tem como
OBJETIVOS:
Ajudar nossas comunidades na caminhada quaresmal de conversão rumo à Páscoa de Jesus Cristo;
Suscitar o espírito fraterno na sociedade para a transformação de situações de injustiça e morte.

AS TEMÁTICAS
No início, voltados para a renovação eclesial impulsionada pelo Concílio Vaticano II;
A partir de meados da década de 70, ganharam um tom social; conferindo-lhe sua identidade;
Sua realização mobiliza vários setores da sociedade;
 e vem contribuindo no debate das grandes questões sociais,  propondo ou potencializando temas na pauta da sociedade.

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2013
Lema: FRATERNIDADE E JUVENTUDE
Tema:”Eis-me aqui. Envia-me” (Is 6,8)
OBJETIVO GERAL:
Acolher os jovens no contexto de mudança de época, propiciando caminhos para seu protagonismo no seguimento de Jesus Cristo, na participação eclesial e na construção de uma sociedade fraterna fundamentada na cultura da vida, da justiça e da paz. 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
1. Propiciar aos jovens um encontro pessoal com Jesus Cristo a fim de contribuir para sua vocação de discípulo-missionário e para a elaboração de seu projeto pessoal de vida;
2. Possibilitar aos jovens uma participação ativa na comunidade eclesial, que lhes seja apoio e sustento em sua caminhada, para que eles possam contribuir com seus dons e talentos;
3. Sensibilizar os jovens para serem agentes transformadores da sociedade, protagonistas da civilização do amor e do bem comum. (continua)